UEFA

Associação de ligas europeias quer proteger futebol nacional da ‘ameaça’ da UEFA

Pedro Proença defendeu que a "proteção às ligas nacionais é absolutamente fundamental" e manifestou-se contra os indícios de uma "revolução" que pode tornar a Champions mais elitista e restritiva.

Pedro Proença, a realização de jogos das competições europeias aos fins de semana é prejudicial

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Associação de Ligas Europeias de Futebol Profissional (EPFL), organismo que agrega 32 ligas e cerca de 900 clubes, vincou a oposição às ideias da UEFA, que podem dar primazia às provas europeias sobre as competições nacionais.

Perante os indícios de uma ‘revolução’ que pode tornar a Liga dos Campeões mais elitista e restritiva a partir de 2024, à medida dos maiores clubes europeus, Pedro Proença salientou o impacto que esses projetos podem ter numa “liga de média dimensão, como a portuguesa”, que preside, e um eventual aumento do fosso entre os emblemas mais poderosos e os outros.

Há uma preocupação das ligas pela forma como estas novas competições podem ter impacto nas competições nacionais, não só os novos formatos e como podem ocupar alguns dos espaços preenchidos pelas competições nacionais, mas também o efeito que poderá ter esta nova forma distribuição de receitas e os fossos que pode criar entre os clubes que mais ganham e aqueles que menos ganham”, afirmou.

Em declarações após a assembleia geral da EPFL, que se realizou em Lisboa, nos últimos dois dias, Pedro Proença contestou também um dos pontos mais polémicos que, alegadamente, estão em discussão na UEFA: a realização de jogos das competições europeias aos fins de semana, sacrificando assim o espaço habitual dos jogos dos campeonatos nacionais.

“A proteção às ligas nacionais é absolutamente fundamental. É fomentando as ligas nacionais que podemos ter boas competições internacionais. [Os fins de semana] são um espaço vital para o desenvolvimento do futebol nacional. Parece desajustado e em nada iria beneficiar o futebol português. Estamos absolutamente contra. Temos de encontrar pontos de equilíbrio”, assinalou.

A posição da liga portuguesa foi partilhada pelo líder da congénere espanhola, Javier Tebas, que foi ainda mais longe e garantiu que um eventual avanço da UEFA nesse sentido merecerá luta nos tribunais.

“Não vai haver essa competição, nem reformas estranhas da Liga dos Campeões. Estou contra a que nos obriguem a reduzir jornadas e estou contra os jogos europeus ao fim de semana. São ideias que se têm no bar às cinco da manhã. Ninguém vai poder obrigar a liga espanhola ou qualquer outra liga. Iremos impugnar, contestar em Bruxelas ou nos órgãos que sejam necessários”, avisou.

A EPFL vai reunir-se com a Associação de Clubes Europeus (ECA), entre 06 e 07 de maio, seguindo-se um encontro com a UEFA, em 08 de maio. Para o líder das ligas europeias, Lars-Christer Olsson, a expectativa é que seja a “primeira de muitas reuniões” para se protegerem as competições nacionais.

“As competições mais importantes são as provas domésticas, são o esqueleto das competições. Estas são mais importantes para os adeptos do que as provas internacionais. Esperamos que o desenvolvimento das ligas domésticas possa acontecer em paralelo com as competições internacionais”, concluiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)