Rádio Observador

Arte Contemporânea

Uma morada temporária para Michael Cunningham e a obra gráfica de Paula Rego: o que está a acontecer em Cascais

139

Escritor participa até julho em residência artística da Câmara de Cascais. É uma das novidades culturais da vila, a par de uma nova exposição de Paula Rego e de fotógrafos icónicos do século XX.

Autor de "As Horas" desloca-se no domingo a Matosinhos para participar no festival literário LeV

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Autor
  • Bruno Horta

A residência artística do escritor norte-americano Michael Cunningham em Cascais, durante as próximas semanas, foi uma das três grandes novidades culturais anunciadas à imprensa nesta quinta-feira de manhã pela Fundação D. Luís I. As outras novidades foram uma exposição de fotógrafos emblemáticos do século XX, como Man Ray, Robert Doisneau, Alfred Stieglitz ou Henry Cartier-Bresson, e na qual estão incluídas obras nunca antes exibidas em Portugal, e ainda “Paula Rego: Looking In”, exposição de toda a obra gráfica da artista portuguesa, assim reunida pela primeira vez.

As iniciativas acontecerão nos próximos meses em Cascais e integram o programa da Fundação D. Luís I, entidade tutelada pela Câmara de Cascais e que tem sido comparada ao ali inexistente pelouro municipal da cultura.

A estância de Michael Cunningham iniciou-se por estes dias e prolonga-se até ao fim de junho, como parte do Programa de Residências Internacionais de Escrita Fundação D. Luís I, em vigor desde outubro do ano passado, com comissariado da escritora e jornalista Filipa Melo. A iniciativa levará a Cascais, até 2020, cinco autores de “valor e prestígio reconhecidos internacionalmente”, descreve a organização. O primeiro foi o romancista francês Olivier Rolin (entre outubro e dezembro de 2018). Depois de Cunningham, seguir-se-ão o britânico Jonathan Coe (outubro a dezembro deste ano), o espanhol Javier Cercas (abril a junho de 2020) e o cabo-verdiano Germano Almeida (outubro a dezembro de 2020).

Os nomes para as residências são escolhidos exclusivamente por convite, sendo este “orientado pela diversidade de origem dos escritores e pela sua dimensão internacional de reconhecimento”. Os autores ficam hospedados no Hotel Pestana e durante a estada dedicam-se à escrita e à participação em iniciativas de divulgação do seu trabalho e de intercâmbio com portugueses.

Cunningham, de 66 anos, é autor dos romances Sangue do Meu Sangue e As Horas (este último, adaptado ao cinema por Stephen Daldry, com Meryl Streep, Nicole Kidman e Julianne Moore nos papéis principais). É conhecido pela escrita de temática “queer” e já visitou Portugal algumas vezes. O seu mais recente livro a ser traduzido ente nós foi Um Cisne Selvagem e Outros Contos, em 2015. No domingo, dia 12, participará numa entrevista ao vivo no festival Literatura em Viagem (LeV), em Matosinhos, e também no âmbito desta residência irá dar uma aula em data e local a anunciar.

“A Frog he would a-wooing go”, de 1989, um dos trabalhos da obra gráfica de Paula Rego a exibir entre 11 de julho e 17 de novembro (foto: Carlos Pombo/Casa das Histórias – Paula Rego)

Quanto à exposição de fotografia, intitula-se “Instantes Decisivos”. É inaugurada já nesta quinta-feira, no Centro Cultural de Cascais, onde se mantém até 14 de julho, com comissariado da curadora independente María Toral. Baseia-se na Coleção Himalaya, do empresário espanhol do setor do turismo Julián Castilla Gigante, e mostra 80 obras de grandes nomes da fotografia, constituindo “um verdadeiro itinerário pelo século XX, desde 1930 a 1960”, lê-se na folha de sala. Poderão ser vistas obras como “O Violino de Ingres”, de Man Ray, e imagens captadas por Carlos Saura, Alberto Korda, Robert Capa, Cartier-Bresson, Robert Doisneau e, entre outros, Alfred Stieglitz (1864-1946), o primeiro fotógrafo a ter as suas fotografias expostas num museu.

Finalmente, a exposição no museu Casa das Histórias — Paula Rego, que, tal como o Centro Cultural de Cascais, funciona na dependência da Fundação D. Luís I: “Looking In”, de 11 de julho a 17 novembro.

Esta exposição reúne uma significativa parte da obra gráfica da artista, alguns desenhos preparatórios concebidos para a execução das gravuras, as chapas de zinco em que o processo de gravação decorreu e inclui os seus trabalhos de gravura mais recentes e menos conhecidos”, escreve a curadora, Catarina Alfaro, na folha de sala.

Segundo a mesma responsável, Paula Rego realizou gravuras entre 1952 e 1956, enquanto estudante da Slade School of Fine Art, em Londres, mas só a partir do fim dos anos 80 se dedicou consistentemente a esta prática. A obra agora reunida, num total de 182 peças, inclui doações da artista, através do filho, Nick Willing, à Câmara de Cascais.

Entretanto, a exposição “Paulo Rego: Anos 80”, que abriu em dezembro e deveria terminar a 26 de maio, teve elevada afluência de público, quase nove mil pessoas até agora, de acordo com a fundação, pelo que será prolongada até 23 de junho.

Além destas novidades principais, a Fundação D. Luís I anunciou, entre outras iniciativas, uma exposição de Antonio López (1943-1987), famoso ilustrador e fotógrafo de moda publicado pela Harper’s Bazaar e pela Vogue e ligado a ícones como Grace Jones e Karl Lagerfeld – de 5 de julho a 12 de outubro, no Centro Cultural de Cascais. E ainda o regresso de uma iniciativa já com alguma tradição na zona, a mostra Artemar, que reúne de 25 de maio a 23 de junho obras de arte no Passeio Marítimo do Estoril. Desta vez, os artistas convidados são os escultores Carlos No, Carlos Menino, Cecília Costa e Teresa Braula Reis, sob o tema “Fronteiras Líquidas” e com curadoria da historiadora de arte e crítica Luísa Soares de Oliveira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)