Rádio Observador

Escolas

Escolas do primeiro ciclo só têm um computador para sete alunos. Magalhães foi há dez anos

217

Quando o programa e.escolinhas levou os computadores Magalhães para as escolas havia um computador por aluno no 1.º ciclo. Agora, é um computador para sete alunos. Um pouco melhor nos outros ciclos.

O programa que dava o computador Magalhães a todos os alunos do primeiro ciclo do ensino básico acabou em 2011

NUNO VEIGA/LUSA

As escolas públicas têm um computador por cada cinco alunos, releva o relatório “Educação em Números 2019”, da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC). O cenário é pior para os alunos do 1.º ciclo — com um computador para quase sete alunos —, o mesmo ciclo que há cerca de 10 anos foi contemplado com o programa e.escolinhas e os computadores Magalhães. Nas escolas privadas o cenário é pouco melhor.

Quando foi lançado, no ano letivo 2008/2009, e nos anos em que funcionou, o programa e.escolinhas distribuiu computadores Magalhães gratuitamente às famílias carenciadas (ou até 50 euros para as restantes). Isso permitiu que cada criança no 1.º ciclo tivesse um computador. Os alunos mais velhos, porém, continuavam a ter de partilhar um computador por cada quatro alunos.

Com o fim do programa em 2011, o número de alunos que têm de partilhar um computador no primeiro ciclo de escolaridade tem vindo a aumentar. Já para os restantes ciclos (2.º, 3.º e ensino secundário), entre os anos letivos de 2010/2011 e 2015/2016 existia uma média de três alunos por computador. Curiosamente, nas escolas privadas esta média de três alunos por computador só se verificava no ensino secundário, para os 2.º e 3.º ciclo a média era maior (cinco a sete consoante o ano letivo).

O ano letivo de 2017/2018, o último apresentado no relatório, apresenta o maior número de alunos por computador desde que foram distribuídos os primeiros computadores Magalhães, mesmo tendo em consideração que pela primeira vez se contabilizaram tablets como computadores. Ainda assim, nas escolas privadas, há menos alunos por cada computador: cinco alunos por computador no 1.º ciclo e quatro em termos globais.

Além do acesso aos computadores ser limitado, os alunos ainda têm de lidar com computadores obsoletos (alguns com mais de 1o anos) e muitos sem internet, como destaca o Diário de Notícias (DN). Jorge Ascenção, do Conselho Nacional de Educação, diz à rádio Observador que a dificuldade de acesso à internet afeta não só os alunos, mas até os serviços.

Os computadores existentes “estão obsoletos, por isso, os recursos devem ser novos e mais”, disse Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), citado pelo DN. “Não é preciso haver um computador por aluno, mas mais”.

À rádio Observador, Filinto Lima diz que este é “problema nacional” que “convém que seja resolvido” e apela a que o próximo Governo faça uma aposta nas novas tecnologias nas escolas.

Atualizado às 12h10 com as declarações à rádio Observador

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)