Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Fechado em casa como tantos milhões de portugueses, Filipe La Féria não sabe quando poderá retomar a atividade normal como encenador e produtor de teatro, porque é impossível prever quando termina o isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus. De uma coisa tem a certeza: teatro no ecrã do computador ou da televisão torna mais pobre a relação entre espectadores e atores. E, no entanto, assim se vai passar o Dia Mundial do Teatro, que se assinala esta sexta-feira.

“Não há nada mais satisfatório do que a presença do público numa sala”, comentou La Féria ao Observador. “Estarmos olhos nos olhos com as pessoas faz com que o espetáculo seja diferente todos os dias, cria uma afetividade que faz subir a intensidade e a qualidade da peça. Um bom público faz um bom espetáculo”, explicou o mais conhecido dos encenadores portugueses.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.