Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Vamos encerrar por aqui este artigo liveblog, que seguiu a atualidade relacionada com a pandemia de Covid-19 ao longo deste sábado.

    Continue a seguir-nos nesta nova ligação. Muito obrigado!

    Portugal em “auto-confinamento”. Fronteiras fechadas desde a meia-noite

  • Estados Unidos impõem uso obrigatório de máscara nos transportes públicos

    Os utentes dos transportes públicos dos Estados Unidos da América terão obrigatoriamente de usar máscara de proteção face ao agravamento da pandemia de Covid-19 no país, anunciou este sábado o Centro de Controlo de Doenças (CDC).

    A ordem federal entra em vigor a partir de terça-feira e tem de ser cumprida ao embarcar, desembarcar e durante a duração das viagens em aviões, autocarros, comboios, metro, barcos e veículos de transporte individual e remunerado de passageiros.

    “Dada a interligação da maioria dos sistemas de transporte na nossa nação e com o mundo, quando pessoas infetadas viajam em veículos públicos sem usar máscara e com outras que não o fazem, o risco de transmissão interestadual e internacional pode crescer rapidamente”, afirmou o diretor do CDC, Rochelle P. Walensky.

    Até agora, as companhias aéreas exigiam máscaras aos passageiros por sua própria iniciativa, e vários estados tinham tomado iniciativas similares, mas não existia uma determinação federal que decretasse a sua aplicação em todo o território americano.

  • Questionar segunda dose para "batotas" explica 11% ou 12% (de André Ventura) nas Presidenciais

    No final da entrevista, o coordenador da task force voltou ao tema das vacinações fora da lista prioritária para explicar que as pessoas – “claro que sim” – vão receber a segunda dose no momento devido.

    “Não cabe a esta estrutura infligir castigos nessa matéria – essa pergunta explica um pouco aqueles 11% ou 12% nas eleições presidenciais do passado domingo, um espírito vingativo que não me parece que seja muito bom para uma sociedade solidária como a nossa”, numa aparente referência à votação obtida por André Ventura nas eleições presidenciais do passado domingo.

    Na visão de Francisco Ramos, só essas pessoas – eleitores de André Ventura – é que considerarão “imoral” que se dê a segunda dose em que levou a primeira (sem que devesse ter levado) – “acho que os outros espero que tenham um sentimento de solidariedade prevalente sobre um sentimento de justiça popular que faz muito pouco sentido”.

  • 2424. Este é o número que irá enviar SMS relacionados com vacinação

    Francisco Ramos revelou, também, na SIC Notícias, que é o número 2424 aquele que irá enviar mensagens escritas por telemóvel relacionadas com o processo de vacinação. A partir da próxima semana será comunicado que esse é o único número “fiável, fidedigno” para receber contactos quanto à vacinação. “Qualquer mensagem com outra origem não é uma mensagem fiável”, disse Francisco Ramos.

  • Francisco Ramos: "Sistema está montado para vacinar, não para procurar os batoteiros"

    Cerca de 113 mil doses da vacina da AstraZeneca vão chegar a Portugal no dia 9 de fevereiro, revelou Francisco Ramos, coordenador da task force da vacinação contra a Covid-19 em Portugal. Francisco Ramos considerou, também, “lamentáveis” as situações em que não são respeitadas as regras do plano de vacinação (com vacinas dadas a pessoas não-prioritárias) – mas “este é um sistema que está montado para vacinar as pessoas, não para procurar os batoteiros”. “Aquilo que foi feito esta semana foi solicitar à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde que fizesse auditorias sobre o cumprimento destes critérios”, diz.

    Em entrevista à SIC Notícias, o coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19, Francisco Ramos, explicou o que deve ser feito nas situações de “sobras”, que podem existir porque cada frasco contém um número de doses (6 numa e 10 noutra).

    Vamos imaginar um lar com 94 pessoas para vacinar portanto é muito difícil – ou vai uma dose a mais ou quatro a menos. A orientação é clara: se faltarem doses de vacina em lares devem ser vacinados todos os residentes e alguns profissionais que não seja possível vacinar devem deslocar-se à unidade de saúde. Se sobrarem doses devem ser encontradas pessoas que estejam integradas na fase 1 de prioridade da vacinação”.

    “Em regra estaremos sempre a falar de poucas doses mas já tivemos uma situação em que eram muitas doses, no caso do acidente com a carrinha de transporte”, indicou Francisco Ramos, salientando que mesmo nessa situação foram “muito poucas” as doses que tiveram de deitar-se fora.

    O coordenador da task force da vacinação diz que não teve conhecimento do caso do INEM no Porto e garantiu: “eu não procuro ter conhecimento dessas situações e devo dizer que não parece que seja competência da task force andar à procura de quem faz batota – deve-se montar o instrumento de prevenção dessa batota mas, a partir daí, outras entidades terão de atuar e sobretudo garantir a censura pública em que os meios de comunicação social também têm um papel”.

    Quanto à decisão de não alargar o tempo entre a primeira e a segunda dose (para dar a primeira dose a mais pessoas) resultou de uma “discussão técnica” que não quis que tomasse uma “decisão isolada em Portugal” sobre essa matéria. Recorde-se que a Direção Geral da Saúde recomendou alargar o prazo de toma entre a primeira e a segunda dose da vacina, mas o grupo de trabalho nomeado pelo Governo não aceitou.

    Houve uma “otimização da gestão de stocks“, isto é, nas primeiras duas semanas do processo guardava-se sempre as doses equivalentes a três semanas – quem foi vacinado na primeira semana (última semana de dezembro) imediatamente foi armazenada uma dose. A partir de meados de janeiro, passou a haver uma semana de stock, confiando que as farmacêuticas vão manter ou até acelerar a entrega de doses.

    Francisco Ramos explica que essa decisão permitiu “antecipar a vacinação dos residentes em lares, que estava prevista terminar (a primeira toma) em meados de fevereiro e já terminou esta semana” – a exceção aqui, além dos locais onde há surtos, são alguns “lares ilegais” do Alentejo que “ainda não foi possível estabelecer contacto com esses lares” (foi pedida a colaboração da Segurança Social e da Proteção Civil para estabelecer contacto com os responsáveis). Cerca de 30 mil pessoas em lares ainda não terão sido vacinadas, nem sequer com a primeira dose, indicou Francisco Ramos.

  • Novas medidas entram em vigor às 00h de domingo

    As novas medidas de contenção da covid-19 entram em vigor às 00h de domingo, impondo regras para quem pretende entrar ou sair de Portugal continental e retomando o ensino à distância.

    Novas medidas entram em vigor às 00h de domingo

  • Itália recomenda alternativas à vacina da AstraZeneca para os idosos

    Itália recomendou hoje a adoção de alternativas à vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca para os cidadãos com mais de 55 anos, apesar de ter autorizado a administração em todos os adultos.

    “A Agência Italiana de Medicamentos (AIFA) autoriza a vacina da AstraZeneca para a prevenção da doença covid-19 em pessoas com mais de 18 anos de idade, como recomendado pela Agência Europeia do Medicamento”, adiantou o organismo, observando, porém, “um grau de incerteza” quanto à eficácia em pessoas com mais de 55 anos, uma vez que este grupo etário está “mal representado” nos ensaios.

    Nesse sentido, a AIFA preconizou “o uso preferencial da vacina AstraZeneca, na pendência de mais dados, em indivíduos com idades compreendidas entre os 18-55 anos”, e aconselha “o uso preferencial de vacinas de RNA mensageiro para indivíduos mais velhos e/ou mais frágeis”. A mesma preocupação já havia sido expressa pelas autoridades alemãs em relação à eficácia da vacina em pessoas com mais de 65 anos.

  • Madeira regista mais 98 casos e mais quatro mortes

    Madeira registou 98 novos casos de covid-19, passando a contabilizar 2.007 infeções, e mais quatro óbitos elevando para 44 as mortes associadas à doença, revelou hoje a Direção Regional de Saúde (DRS).

    Em comunicado, a DRS reportou 98 novos casos positivos de infeção pelo novo coronavírus, tratando-se de um caso importado da região de Lisboa e Vale do Tejo e 97 casos de transmissão local, passando a região a contabilizar 5.084 infetados confirmados.

    O organismo adiantou haver mais quatro óbitos, dois homens e duas mulheres, entre os 80 e 88 anos, com comorbilidades associadas e que estavam a ser acompanhados pelos profissionais de saúde afetos à Unidade Polivalente da covid-19, no Hospital Dr. Nélio Mendonça.

    A região contabiliza até à data, um total de 44 óbitos associados à covid-19.

    Segundo a secretaria regional, nenhuma destas mortes têm a ver com os três doentes transferidos sexta-feira do continente para o hospital do Funchal.

    Registaram-se também 59 casos considerados recuperados, registando na região 3.033 recuperações da doença.

    O arquipélago regista 2.007 os casos ativos, dos quais 99 são casos importados e 1.908 são de transmissão local.

  • Idoso dado como morto no Hospital de Oliveira de Azeméis afinal está vivo

    Uma troca de identidades no Hospital de Oliveira de Azeméis, no distrito de Aveiro, levou a que um paciente de 92 anos fosse dado erroneamente como morto e que lhe fosse mesmo feito o funeral, disse fonte familiar.

    O nonagenário dado erroneamente como morto é de Milheirós de Poiares, Santa Maria da Feira, e estava internado no Hospital de Oliveira de Azeméis, uma das três unidades do Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga (CHEDV), com problemas respiratórios.

    Em declarações à agência Lusa, o filho, Aureliano Vieira, disse que a família recebeu no dia 10 a informação de que o seu pai morrera por causas associadas à pandemia de Covid-19.

    “Como era por causa do Covid-19, não permitiram que se fizesse o reconhecimento do corpo. Limitámo-nos a fazer o funeral, já no dia 12. Mais tarde, mandamos mesmo celebrar a missa do sétimo dia. Já hoje de manhã, vieram dizer-nos do hospital que o nosso pai estava vivo e pediram desculpas pelo erro”, indicou.

    “E, felizmente, está vivo. Já confirmei”, acrescentou Aureliano Vieira, dizendo desconhecer ainda de quem é o corpo que o hospital presumia ser do seu pai. Aureliano Vieira disse que não sabe ainda o que vai fazer. “Ainda estou atónito. Tenho de falar com outros familiares”.

    Contactada pela agência Lusa, fonte autorizada do CHEDV confirmou a troca de identidades numa enfermaria da unidade de Oliveira de Azeméis e lamentou “profundamente” o sucedido.

  • Mais sete mortes e 597 casos em Moçambique

    O Ministério da Saúde (Misau) de Moçambique anunciou hoje mais sete mortes por covid-19 e 597 casos de infeção pelo novo coronavírus.

    As mortes anunciadas, todas de pessoas de nacionalidade moçambicana com idades entre os 49 e 75 anos, aconteceram na quarta e sexta-feira, esclareceu o Misau.

    Moçambique passa a ter um total acumulado de 363 mortes e 37.705 casos, dos quais 63,5% recuperados.

    O número de hospitalizadas continua em alta, pressionando os serviços de saúde, com 320 pessoas em centros de internamento de covid-19 e noutras unidades de saúde (76,9% destes pacientes encontram-se em Maputo).

    Desde março de 2020, Moçambique já testou 341.004 casos suspeitos, dos quais 2.077 nas últimas 24 horas.

  • Associação de Bombeiros e Proteção Civil pede demissão do Conselho Diretivo do INEM

    A Associação Nacional de Bombeiros e Agentes de Proteção Civil (ANBAPC) defendeu a demissão do Conselho Diretivo do INEM, após a polémica com a administração de vacinas.

    Associação de Bombeiros e Proteção Civil pede demissão do Conselho Diretivo do INEM

  • França. 242 mortes e 24.392 novos casos de infeção

    Nas últimas 24 horas, morreram nos hospitais franceses mais 242 pessoas com complicações associadas à Covid-19 — o que elevou a contagem total de óbitos da pandemia naquele país aos 75.862.

    No mesmo período de tempo, foram registados mais 24.392 casos de infeção pelo novo coronavírus — desde o início de 2020, 3.177.879 pessoas já testaram positivo em França.

    A taxa de reprodução do vírus está neste momento em 1,12; 60,5% das vagas em hospitais estão ocupadas.

  • Sistema de pré-triagem encurta fila de ambulâncias no Santa Maria: neste momento há seis à espera

    Nos dias que passaram chegaram a ser 40, mas este sábado ao início da noite a fila de ambulâncias à porta das urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, é de apenas seis.

    Tudo graças ao sistema de pré-triagem estabelecido esta sexta-feira por INEM e Proteção Civil, que pretende avaliar de forma mais célebre a situação clínica dos doentes transportados e aferir se necessitam de tratamento hospitalar ou podem ser conduzidos ao centro de saúde mais próximo.

    De acordo com declarações do médico Tiago Barros, do INEM, à TVI, ao longo deste sábado chegaram àquele hospital 16 ambulâncias, sendo que 12 dos pacientes transportados acabaram por ser admitidos no hospital. Ao longo de toda a sexta-feira, revelou o mesmo profissional, foram 34 as ambulâncias que chegaram à urgência Covid do maior hospital português.

    Para ajudar a libertar os hospitais, os centros de saúde da zona de Lisboa estiveram este sábado a funcionar até às 18h e a receber doentes Covid, explicou ainda Tiago Barros.

  • Alemanha quer deixar idosos fora das prioridades na vacina da AstraZeneca

    O governo alemão pondera deixar as pessoas com mais de 65 anos fora do acesso prioritário à vacina da AstraZeneca contra a covid-19 por suspeita de falta de eficácia neste grupo etário, admitiu hoje o ministro da Saúde.

    Um dia depois da aprovação desta vacina pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) — a terceira, após a autorização às vacinas desenvolvidas pela Pfizer/BioNTech e pela Moderna -, o executivo alemão reitera a sua desconfiança, seguindo o conselho dos seus peritos, que alegam que “não existem dados suficientes para fazer uma declaração sobre a eficácia” da vacina nos idosos.

    “Teremos agora de rever a ordem de vacina” devido às “limitações de idade da vacina da AstraZeneca”, afirmou o ministro Jens Spahn, que assegurou querer “aplicar” a recomendação emitida pelos especialistas nacionais, em sentido contrário à posição da EMA, que autorizou a introdução da vacina no mercado sem restrições etárias acima dos 18 anos.

    A autorização oficial das autoridades alemãs deve ser conhecida no início da próxima semana, uma vez que a chanceler Angela Merkel convocou uma reunião com as entidades sanitárias sobre o assunto para segunda-feira.

    Jens Spahn apontou a administração da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca preferencialmente aos profissionais de saúde, num momento em que, segundo o Instituto Robert Koch de Vigilância Sanitária, 2,2% da população alemã tinha recebido pelo menos uma dose de vacina até sexta-feira.

  • PS/Açores diz-se preocupado com pandemia a nível sanitário, económico e social

    O PS/Açores mostrou hoje preocupação com a pandemia de covid-19 no que refere ao aspeto sanitário mas também económico e social, pedindo que “rapidamente” sejam implementadas “propostas concretas” em prol, nomeadamente, dos que estão em “maior fragilidade”.

    “Esta é uma grande preocupação que nós temos neste momento”, declarou o chefe dos socialistas açorianos, Vasco Cordeiro, falando aos jornalistas em Ponta Delgada à margem da reunião da Comissão Regional do PS/Açores, orgão máximo entre congressos, que hoje se reúne por videoconferência.

    Declarando que o PS, mas também o executivo regional (de coligação PSD-CDS-PPM) e “outros partidos” têm apresentado várias propostas sobre a pandemia, Vasco Cordeiro declarou que, a maior preocupação atual, é que estas possam “entrar em funcionamento” o quanto antes e atenuar os “devastadores efeitos” da pandemia.

    “A mensagem que em nome do PS queria deixar é esta: a necessidade de se cumprir aquilo que está recomendado porque são essas autoridades que neste momento têm a responsabilidade de tomar essas medidas”, disse ainda o socialista, pedido que os açorianos respeitem as indicações da autoridade de saúde da região.

    Questionado pela agência Lusa sobre palavras de sexta-feira do líder nacional do Chega, André Ventura, que acusou PSD e CDS-PP de “bullying político” e admitiu romper o acordo de solução governativa dos Açores, Vasco Cordeiro declarou: “Quer os açorianos quer os portugueses em geral já perceberam que o doutor André Ventura é um fala-barato”.

    E concretizou: “Não atribuímos importância a esses assombros. (…) Não damos nenhum crédito a essas declarações”.

  • No Reino Unido, 5 em cada 6 pessoas com mais de 80 anos já vacinadas

    No Reino Unido, cinco em cada seis pessoas com mais de 80 anos já estão vacinadas contra a Covid-19, revelou o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, numa atualização dos números da vacinação no país.

    O responsável indicou, também, que entre os 75 e 80 anos dois em cada três pessoas também já estão vacinadas.

    Sublinhe-se que quando Hancock diz “vacinadas” refere-se a ter sido dada pelo menos uma toma, sendo que as principais vacinas são de duas tomas.

    O objetivo é, até 15 de fevereiro, dar pelo menos a primeira dose a 15 milhões de pessoas com mais de 70 anos.

    Através do Twitter, além de fornecer estes números, Matt Hancock agradece a todos os envolvidos na distribuição da vacina no país. “Vamos superar isto, juntos”, atirou.

  • BE defende responsabilização de quem "se aproveite" do plano de vacinação

    A líder do BE defendeu que “devem ter consequências” todos os abusos, como o da vacinação contra a Covid-19 de funcionários de um café no Porto pelo INEM fora dos critérios definidos.

    BE defende responsabilização de quem “se aproveite” do plano de vacinação

  • Números de infectados em Cuba bate recorde diário com 910 pessoas

    Cuba registou hoje o maior número de infetados pelo vírus SARS-Cov-2, com 910 casos, e anunciou que, a partir de 06 de fevereiro, vai endurecer as medidas nas fronteiras, nomeadamente uma nova redução ao nível dos voos.

    O país, que manteve a pandemia sob controlo durante uma boa parte do ano passado, registou até agora 25.674 casos positivos, estando a atravessar a terceira onda da pandemia de covid-19, que em janeiro já bateu onze recordes diários e fez mais mortos em 30 dias que nos sete meses em que a situação esteve pior.

    Em comunicado, as Autoridades do Instituto Nacional de Aeronáutica Civil, citadas pela agência Efe, avisaram que, a partir de 06 de fevereiro, os passageiros serão transferidos para centros de isolamento — hotéis no caso de turistas e de cubanos não residentes — devendo estes arcar com o custo da sua estada e fazer uma quarentena obrigatória.

    A medida já foi aplicada entre março e outubro do ano passado, enquanto os aeroportos permaneceram fechados aos voos comerciais, e foi substituída pelo isolamento domiciliar e realização de dois testes PCR, um na fronteira e outro cinco dias após a chegada, quando a maior parte do país entrou na fase da “nova normalidade”.

    O Governo cubano atribui a nova onda de infeções ao não cumprimento da quarentena nas residências por parte dos passageiros que chegaram em novembro e dezembro do ano passado, com a reabertura dos aeroportos, mas também ao alívio das medidas de prevenção durante as férias.

  • Montalegre exige ao Governo passagem controlada para Espanha no concelho

    A Câmara de Montalegre exigiu hoje a passagem controlada em dois pontos de fronteira com Espanha daquele concelho ao invés do fecho decretado pelo Governo que força cerca de meia centena de trabalhadores transfronteiriços a percorrer diariamente 200 quilómetros.

    Em comunicado, a autarquia de Montalegre, no distrito de Vila Real, repudiou a decisão do Governo em decretar o fecho das fronteiras ‘Montalegre/Baltar’ e ‘Tourém/Calvos de Randim’ e exigiu “a passagem controlada das fronteiras do concelho”.

    “Esta tomada de decisão é justificada tendo em conta que há cerca de meia centena de barrosões com vínculo laboral a empresas galegas, o que irá provocar prejuízos avultados dado que serão obrigados a percorrer diariamente cerca de 200 quilómetros (ida e volta) com os naturais prejuízos financeiros e de saúde daí decorrentes”, salientou.

    Fonte da autarquia de Montalegre explicou à Lusa que foi feita uma “comunicação ao Ministério da Administração Interna na sexta-feira, antes de ser publicado o decreto com os pontos de passagem” com o pedido para incluir o concelho na lista, mas que não obteve resposta.

  • Angola com 59 novos casos e 97 recuperações em 24 horas

    Angola somou mais 59 casos de covid-19 e a recuperação de mais 97 doentes em 24 horas, segundo um comunicado assinado hoje pelo secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.

    Dos novos casos, 41 foram registados na província de Luanda, cinco no Huambo, quatro no Bié, quatro em Cabinda, quatro no Zaire e um no Moxico, com idades entre os 10 e os 74 anos, sendo 31 do sexo masculino e 28 do sexo feminino.

    Não foram registadas mortes nas últimas 24 horas, tendo sido consideradas recuperadas da doença 97 pessoas, das quais 93 em Luanda, duas no Bié e duas no Lunda Sul, com idades entre 1 e 87 anos.

    Angola soma 19.789 casos, dos quais 464 óbitos, 18.015 recuperados e 1.303 ativos, incluindo seis em estado crítico e nove em estado grave.

    Os laboratórios processaram 1.622 amostras, num cumulativo de 360.048, com uma taxa de positividade de 5,5%.

1 de 3