Histórico de atualizações
  • Bom dia!

    Obrigada por nos ter acompanhado. Este liveblog fica por aqui. Vamos continuar a acompanhar as notícias da pandemia da Covid-19 em Portugal e no mundo neste novo liveblog:

    DGS só aceita quatro vacinas como prova para emigrantes entrarem em Portugal

  • Liga dos Bombeiros alerta para "duas batalhas distintas" entre pandemia e fogos

    Jaime Marta Soares chama a atenção para ano em que há “uma guerra com duas frentes, com duas batalhas distintas” para os bombeiros.

    Liga dos Bombeiros alerta para “duas batalhas distintas” entre pandemia e fogos

  • Emigrantes "podem viajar" para Portugal no verão com passe sanitário

    Secretária de Estado das Comunidades incentiva quem quiser passar as férias de verão em Portugal, já que as restrições em vigor não se aplicam a quem já está completamente vacinado.

    Emigrantes “podem viajar” para Portugal no verão com passe sanitário

  • Madeira reporta sete novos casos e 61 situações ativas

    A Madeira registou sete novos casos de infeção por SARS-CoV-2 e mais 11 doentes recuperados nas últimas 24 horas, existindo 61 situações ativas, informou hoje a Direção Regional de Saúde.

    “Há a reportar sete novos casos de infeção por SARS-CoV-2 na Região Autónoma da Madeira, pelo que a região passa a contabilizar 9.619 casos confirmados de covid-19” desde 16 de março de 2020, lê-se no boletim sobre a situação epidemiológica no arquipélago.

    A autoridade regional de saúde adianta que um dos novos casos é importado da região de Lisboa e Vale do Tejo e os outros seis são de transmissão local.

    No mesmo documento, a DRS indica que hoje a Madeira tem 61 casos ativos de covid-19, dos quais 17 importados e 44 de transmissão local.

    As pessoas infetadas estão a cumprir isolamento, encontrando-se quatro internadas nas unidades polivalentes no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal. Nenhum doente ocupa a zona de cuidados intensivos dedicada à covid-19 nesta unidade de saúde.

    Num hotel estão confinadas 10 pessoas, permanecendo as restantes em alojamento próprio.

    As autoridades também estão a avaliar 71 situações relacionadas com viajantes identificados no aeroporto, contactos de casos positivos ou outras que foram reportadas.

    “Relativamente à vigilância ativa de contactos de casos positivos, 378 pessoas estão a ser acompanhadas pelas autoridades de saúde dos vários concelhos da Madeira e no Porto Santo”, refere a DRS.

    Além disso, 24.031 viajantes estão a ser avaliados através da aplicação ‘MadeiraSafe’.

    No boletim, a DRS salienta que a Madeira reporta hoje “mais 11 casos recuperados”, totalizando 9.486 doentes recuperados de covid-19 no arquipélago desde o início da pandemia.

    A Madeira mantém os 72 óbitos associados à doença, tendo a última morte ocorrido em 25 de maio.

    Na operação de despiste da covid-19 nos portos e aeroportos da região foram realizados 242.286 colheitas para teste de RT-PCR e foram processadas 489.982 amostras no laboratório do Serviço Regional de Saúde, é referido no comunicado.

    “No que diz respeito aos testes rápidos de antígeno, foram realizados até à data, um total de 72.201”, lê-se ainda na nota.

    Por seu turno, a Direção-Geral de Saúde atribuiu hoje à região Autónoma da Madeira seis casos, acrescentando que este território soma 9.880 infeções e 69 mortes devido à covid-19 desde março de 2020.

    As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

    A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

    Em Portugal, morreram 17.083 pessoas e foram confirmados 873.051 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • Guiné-Bissau regista mais um caso

    A Guiné-Bissau registou mais um caso de infeção pelo novo coronavírus, segundo dados hoje divulgados pelo Alto Comissariado para a covid-19.

    Segundo os dados, na sexta-feira foi registado mais um caso, para um total acumulado de 3.846 desde o início da pandemia, e realizados 96 testes.

    Os dados referem que mais duas pessoas foram dadas como recuperadas da doença, para um total acumulado de 3.574, e que há 197 casos de covid-19 ativos no país.

    Segundo o boletim diário, oito pessoas permanecem internadas devido à doença.

    Desde o início da pandemia, a Guiné-Bissau já registou 69 vítimas mortais.

    A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

    Em Portugal, morreram 17.083 pessoas e foram confirmados 873.051 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China

  • Mais 31 novos infetados em Cabo Verde em 24 horas

    Cabo Verde registou mais 31 novos infetados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, num dia sem óbitos, e aumentou para 32.344 os casos positivos acumulados desde o início da pandemia, anunciou hoje o Ministério da Saúde.

    Em comunicado, as autoridades sanitárias cabo-verdianas avançaram que os laboratórios de virologia analisaram 914 amostras desde sexta-feira e encontraram 31 novos casos positivos de infeção pelo novo coronavírus, numa taxa de positividade de 3,4%.

    Na ilha de Santiago foram diagnosticados mais oito infetados, sendo seis na Praia e um cada em Santa Catarina e São Miguel, enquanto Fogo tem mais nove, distribuídos por São Filipe (três), Mosteiros (quatro) e Santa Catarina (dois), São Vicente (oito), Maio (quatro), Boa Vista (um) e Porto Novo, em Santo Antão, também com um caso novo.

    Num dia em que não foram registados novos óbitos por covid-19, as autoridades de saúde de Cabo Vede deram alta a mais 23 doentes, perfazendo um total de 31.371 casos recuperados da doença.

    Com os novos dados, o país aumentou para 32.344 os casos positivos acumulados desde o início da pandemia, mantém os 286 mortos e passa a contabilizar 668 casos ativos, 10 óbitos por outras causas e nove transferidos.

    Na sexta-feira, o Governo prolongou por mais 15 dias da situação de calamidade em todas as ilhas do arquipélago devido à covid-19, embora reconhecendo uma “melhoria” na situação epidemiológica.

    Este que é o terceiro período consecutivo de situação de calamidade, agora por 15 dias, inicia-se em 28 de junho e termina em 12 de julho.

    A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

    A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • França regista 12 mortes e 2.128 infeções nas últimas 24 horas

    A França registou nas últimas 24 horas 12 mortes associadas à covid-19 e 2.128 novos casos de infeção, anunciaram as autoridades sanitárias francesas.

    Com aqueles números, o número de mortos em Franca resultantes da pandemia de covid-19 eleva-se para 110.980 e o número de infetados para 5,76 milhões.

    A taxa de positividade relativa ao número total de testes realizados nos últimos sete dias manteve-se em 0,8%, de acordo com as autoridades de saúde francesas na avaliação diária da situação.

    Nos últimos sete dias, houve 964 novas admissões hospitalares associadas ao novo coronavírus e 227 admissões em unidades de cuidados intensivos (UCI).

    De acordo com a cadeia de televisão BFM TV, um total de 9.024 pessoas estão atualmente hospitalizadas devido ao coronavírus em França e 1.349 nas UCI, números que pelo quarto e terceiro dia consecutivo, respetivamente, permanecem abaixo da barreira de 10.000 e 1.500, algo que não se verificava desde outubro.

    A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

    Em Portugal, morreram 17.083 pessoas e foram confirmados 873.051 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • PS reavalia o que fazer ao congresso de julho

    Os socialistas estão a ponderar o que fazer ao congresso do partido previsto para 10 e 11 de julho, sobretudo da parte da reunião que passa por Lisboa, devido à pandemia.

    PS vai reavaliar se mantém congresso a meio de julho por causa da situação do país

  • Reino Unido conta 18.270 novos infetados, um recorde desde fevereiro

    O número de novos casos de covid-19 registou hoje um recorde no Reino Unido desde o início de fevereiro, com a doença a atingir mais 18.270 pessoas, a maioria das quais jovens ainda não vacinados.

    Segundo dados hoje divulgados pelo Governo britânico, este é o maior número de casos positivos num só dia desde 05 de fevereiro, altura em que o país decidiu aumentar as taxas de vacinação contra a covid-19.

    Segundo o Ministério da Saúde britânico, 227 pessoas foram hospitalizadas nas últimas 24 horas, elevando o total para 1.505, número que fica muito aquém das 40.000 registadas no início do ano, durante o pico da segunda vaga da doença.

    As mortes relacionadas com vírus também permanecem relativamente baixas, tendo sido contabilizadas 23 vítimas mortais nas últimas 24 horas, o que eleva o total de mortes no país para 128.089 pessoas.

    Na semana passada, quase 100.000 pessoas apresentaram resultados positivos nos testes à covid-19, um aumento de quase 50% em comparação com a semana anterior, que provocou críticas sobre as restrições adotadas.

    Os novos casos diários de infetados têm aumentado bastante nas últimas semanas, sobretudo devido à variante Delta do coronavírus, estirpe inicialmente detetada na Índia e que é considerada mais contagiosa e virulenta.

    A maioria dos novos casos confirmados foi encontrada em jovens que ainda não receberam as vacinas, de acordo com o Governo, que acrescentou que até hoje quase dois terços da população do Reino Unido já recebeu pelo menos uma dose de uma vacina contra a covid-19, enquanto 48% receberam duas doses.

    A pandemia de covid-19 já provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

    Em Portugal, morreram 17.083 pessoas e foram confirmados 873.051 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • Madeira vai reclamar "discriminação positiva" junto do Governo alemão para sair da lista vermelha

    Governo da Madeira vai reclamar uma “discriminação positiva” para a região e critica a “ineficácia” de Costa em transmitir que este arquipélago é um território seguro.

    Madeira vai reclamar “discriminação positiva” junto do Governo alemão para sair da lista vermelha

  • Itália apreensiva com novas variantes

    A Itália registou 838 novas infeções de covid-19 e 40 mortes nas últimas 24 horas, e, apesar dos níveis baixos, mantém-se apreensiva sobre a disseminação de novas variantes, como a Delta, revelou hoje o Ministério da Saúde.

    Os mais recentes números da pandemia de covid-19 mantêm o país nos níveis mínimos, semelhantes aos registados no verão passado, noticia a agência EFE.

    Após a última atualização, o balanço total é agora de 4.257.289 infeções desde o início da pandemia naquele país, em fevereiro de 2020, e 127.458 mortos.

    A principal preocupação nos italianos são as novas variantes do Sars-CoV-2, que devem ser monitorizadas entre os países, segundo defendeu hoje o ministro da Saúde de Itália, Roberto Speranza.

    “É claro que mantemos o alerta máximo em todas as variantes e acreditamos que é necessário um trabalho de coordenação a nível internacional para acompanhar com grande atenção a evolução da [variante] Delta e de todas as outras”, sustentou.

    Roberto Speranza acrescentou que “a Itália está a investir o máximo possível para sequenciar e rastrear as variantes” e assegurou que “irá continuar a fazê-lo”.

    A pressão nos hospitais continua a diminuir, estando atualmente apenas 298 doentes em cuidados intensivos, menos oito que na sexta-feira, enquanto o número de internamentos é de 1.771, uma redução de 128 em 24 horas.

    Enquanto isso, 32,26% da população italiana, cerca de 17,4 milhões de pessoas, já completou a vacinação contra a covid-19, enquanto 49,1 milhões já recebeu a primeira dose.

    A partir de segunda-feira todo o país passa a estar na designada ‘zona branca’, onde não existem restrições e a máscara deixa de ser de uso obrigatório ao ar livre.

    A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

  • Bloco apresenta medidas "alternativas" para evitar novo confinamento e plano para Lisboa

    BE critica medidas aplicadas a Lisboa e apresenta plano alternativo, com mais testes nos centros de saúde e planos de alojamento em caso de isolamento. Propostas serão votadas no Parlamento.

    Bloco apresenta medidas “alternativas” para evitar novo confinamento e plano para Lisboa

  • Bloco apresenta medidas "alternativas" para evitar novo confinamento e plano para Lisboa

    BE critica medidas aplicadas a Lisboa e apresenta plano alternativo, com mais testes nos centros de saúde e planos de alojamento em caso de isolamento.

    Bloco apresenta medidas “alternativas” para evitar novo confinamento e plano para Lisboa

  • Variante Delta está a dominar infeções na África do Sul

    A variante Delta, altamente contagiosa, é responsável pelo aumento acentuado dos contágios por covid-19 na África do Sul, disseram hoje cientistas, enquanto o governo considera a adoção de mais restrições.

    País mais afetado do continente, a África do Sul, registou hoje 18.762 novos casos, o número mais alto deste ano.

    No total, quase 1,9 milhões de pessoas foram infetadas, registando-se 59.621 mortos, para uma população de 58 milhões.

    O país está a sofrer o impacto de uma terceira vaga que está a colocar à prova um sistema de saúde frágil.

    “Entramos numa fase exponencial da pandemia, com números que estão a aumentar muito, muito rapidamente e que continuarão a aumentar por várias semanas”, alertou Túlio de Oliveira, um dos maiores especialistas em virologia do país.

    A variante Delta, detetada pela primeira vez na Índia, “parece estar agora a dominar as infeções na África do Sul”, acrescentou o especialista, em conferência de imprensa.

    Para travar a disseminação desta variante, o país vai “tomar medidas restritivas com urgência”, afirmou Koleka Mlisana, responsável de um comité científico que assessora o governo sobre a pandemia.

    O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, já havia intensificado as medidas de combate ao novo coronavírus em meados de junho, alargando o toque de recolher obrigatório e impondo controlos mais rígidos sobre a venda de álcool.

    Agora, perante esta situação, o Presidente deve anunciar novas restrições num discurso previsto para domingo.

    Com quase 60% do número total de infeções, Gauteng, o pulmão económico e a província mais populosa do país, onde fica a capital administrativa Pretória e o centro financeiro de Joanesburgo, é o atual epicentro da epidemia.

    Os hospitais estão já numa situação difícil e as autoridades de saúde começaram a transportar os pacientes para áreas menos afetadas.

    A campanha de vacinação começou com dificuldades em fevereiro e apenas 2,4 milhões de pessoas já foram totalmente vacinadas.

    Identificada pela primeira vez na Índia, onde se espalhou a partir de abril, a variante Delta está agora presente em pelo menos 85 países, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

    A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

    Em Portugal, morreram 17.083 pessoas e foram confirmados 873.051 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • Dois mortos e 518 novos casos em Moçambique

    Moçambique registou dois óbitos e 518 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciou hoje o Ministério da Saúde na atualização diária de dados sobre a pandemia.

    As vítimas mortais foram um homem de 63 anos e uma mulher de 66 anos, ambos de nacionalidade moçambicana.

    Os dados confirmam um aumento de infeções.

    “A nível nacional, a taxa de positividade [dos testes] nas últimas 24 horas foi de 25%, enquanto a taxa de positividade acumulada é de 12%”, lê-se no boletim.

    Moçambique já testou cumulativamente 588.470 casos suspeitos, dos quais 2.020 nas últimas 24 horas.

    O total de mortes em junho subiu hoje para 33, quando ainda faltam quatro dias para o fim do mês, enquanto em maio foram 22.

    Moçambique tem um total acumulado de 867 mortes e 74.704 casos de covid-19, dos quais 94% recuperados e 127 internados.

    De acordo com o boletim de hoje, o país conta com 3.234 casos ativos.

    Entrou hoje em vigor o agravamento de algumas das restrições no âmbito do estado de calamidade no país para prevenção da covid-19 face à ameaça de uma terceira vaga, já presente na vizinha África do Sul.

    Passa a haver maiores limitações na lotação de espaços públicos, redução de horários de funcionamento, interdição de praias e mais uma hora de recolher obrigatório noturno, agora a partir das 22:00 (21:00 em Lisboa) nas principais cidades do país.

  • Covid-19. Nova Zelândia suspende voos sem restrições com Austrália

    A Nova Zelândia suspendeu por três dias a “bolha aérea” que permitia voos sem restrições com a Austrália, após o aparecimento de vários surtos de covid-19 neste país.

    Covid-19. Nova Zelândia suspende voos sem restrições com Austrália

  • Covid-19. Bangladesh impõe confinamento severo a partir de segunda-feira

    O Bangladesh vai impor um novo confinamento extremamente severo a partir de segunda-feira na sequência de um aumento “perigoso e alarmante” nos casos da variante fortemente contagiosa Delta.

    Covid-19. Bangladesh impõe confinamento severo a partir de segunda-feira

  • Covid-19. São Petersburgo regista recorde de mortes em pleno Euro2020

    A segunda maior cidade da Rússia, São Petersburgo, que acolhe na próxima semana um jogo dos quartos de final do Euro2020, registou o maior número de mortes por covid-19 desde o início da pandemia

    Covid-19. São Petersburgo regista recorde de mortes em pleno Euro2020

  • Jogador do Benfica não terá cumprido o isolamento profilático

    O jogador do Benfica Vinícius terá furado o isolamento profilático de 14 dias a que estava sujeito por ter estado de férias no Brasil, segundo avança o site Mais Futebol. É que um restaurante na Charneca da Caparica fez uma publicação no Facebook, na passada quinta-feira, onde se vê o jogador: “E hoje o nosso grande amigo Vinícius veio fazer uma visita”, lê-se,

    Além de Vinícius, também os atletas Helton Leite, Gilberto e Morato, que estiveram de férias no Brasil, encontram-se em isolamento no Benfica Campus.

  • Boletim. Vítimas mortais são duas mulheres entre os 70 e os 79

    As duas mortes registadas no balanço deste sábado dizem respeito a duas mulheres entre os 70 e os 79.

1 de 2