Trabalho

Teletrabalho é modernidade laboral

Autor
  • Fabiano Zavanella
230

Defendemos que a tecnologia, aliada ao teletrabalho, é uma contribuição enorme para o problema da mobilidade urbana, principalmente nos grandes centros, e uma das soluções para minorar o desemprego.

O mundo é uma composição imensa de povos, culturas, línguas, projetos e demandas. Mas a humanidade tem uma coisa em comum: toda pessoa tem direito ao trabalho digno. Desafortunadamente, há outra coisa em comum, na maior parte dos países: faltam postos de trabalho. Enquanto na União Europeia o percentual de desempregados é de pouco mais de 7% da população, o Brasil registra quase 13% de sua população fora do mercado de trabalho, constatação que faz mais do que justificada a preocupação assinalada pelo Congresso Internacional Labour 2030, que se realiza na cidade do Porto, em setembro próximo. Congresso, aliás, que conta com apoio do Ipojur, o Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Ciências Políticas e Jurídicas, do qual tenho a honra de ser o diretor acadêmico.

Assunto importante para debate no Labour 2030 é o fato de que, no Brasil, os dados de 2018, comparados aos de 2016, na pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades, mostraram um aumento de 22% no aproveitamento do teletrabalho no meu país. Essa modalidade laboral já é praticada em muitos lugares do mundo, com resultados absolutamente positivos, principalmente no aproveitamento pertinente do tempo. Não nos esqueçamos de que a locomoção, no Brasil, foi apontada como o quarto maior problema das cidades, para a população. A afirmação está na pesquisa Mobilidade da População Urbana 2017.

Defendemos que a tecnologia, aliada ao teletrabalho, é uma contribuição enorme para o problema da mobilidade urbana, principalmente nos grandes centros, e uma das soluções para minorar o desemprego.

Todavia, a despeito da revolução tecnológica que permite, entre outras atividades, a manipulação remota – e a qualquer hora do dia ou da noite – de bancos gigantescos de dados, ainda está em curso uma adaptação dos sistemas legais às novas formas e meios de execução do trabalho.

No Brasil, está em vigor o inciso III do artigo 62 da Consolidação das Leis Trabalhistas, incluído pela Lei nº 13.467/17, que suspende o controle de jornada. Entretanto, o conceito do justo aproveitamento do tempo no teletrabalho, que difere do conceito aplicado na relação clássica de emprego, continua sendo tema de discussões. Outras questões, concernentes às ocupações contempladas nessa categoria de emprego, também estão sob interpretação. São necessidades de adaptação da legislação, para que o teletrabalho se confirme como avanço nas novas relações de trabalho.

Diretor académico do Ipojur, Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Ciências Políticas e Jurídicas

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

A Tecnologia e o Orgulho da Civilização

Nuno Cerejeira Namora

Em 2017, a economia digital representou 4,6% do PIB português contra 13,8% no Reino Unido. A expectativa de que este valor venha a crescer ao longo da da próxima década é enorme.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)