Logo Observador
Cultura

22 fotografias de um mundo bonito de ver

1.068

A edição 2015 dos Sony World Photography Awards já está em marcha e já se podem apreciar algumas das fotografias a concurso. De profissionais e de amadores, e também de jovens. Um mundo bonito de ver.

Desde 2007 que dezenas de milhar de amantes da fotografia enviam as suas imagens para os Sony World Photography Awards. Acorrem de todo o mundo, são profissionais e são amadores. Há trabalhos vindos da Roménia e Nova Zelândia, da China e do Chile, dos Estados Unidos e da Indonésia, da França e de Portugal. No total, desde que arrancou, este prémio já juntou 700 mil fotografias, quase sempre impressionantes.

São quatro os concursos: a competição profissional, destinada aos que apresentam uma série de trabalhos; a competição aberta, para amadores e outros entusiastas; o concurso para os estudantes de fotografia; e por fim o prémio de juventude, aberto aos que tiveram até 19 anos.

Para além disso, pode-se concorrer a dez categorias: Arquitetura; Arte e Cultura; Fotografias trabalhadas; Fração de segundo; Natureza e Vida Selvagem; Com pouca luz; Panorâmicas; Gente; Sorrisos; e por fim Viagem;

O Observador divulga algumas das mais belas imagens a concurso este ano.

O júri do concurso profissional de 2015 é formado por Oliver Schmitt, Matthew Leifheit, Xingxin Guo, Joanna Milter, Maria Pieri, Enrica Viganò e Sasha Erwitt.

Os trabalhos a concurso podem ser entregues até 8 de janeiro, no site dos Sony World Photography Awards.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
12.796

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.

Terrorismo

Basta!

Gonçalo Dorotea Cevada

Que suposta superioridade moral é essa que não nos permite admitir que o problema não está na suposta falta de integração social, mas na propaganda feita por certas mesquitas localizadas na Europa?

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos