Biologia

Foi descoberto o primeiro peixe de sangue quente

817

É uma descoberta que contraria um dogma da biologia: só as aves e os mamíferos são capazes de produzir e regular o calor interno. Mas cientistas da NOAA encontraram um peixe-lua com sangue quente.

Imagem: Flickr / NOAA Fisheries West Coast

Cientistas da organização norte-americana NOAA identificaram um peixe de sangue quente. Esta descoberta foi publicada na Science e contraria um dogma antigo da biologia: apenas as aves e os mamíferos possuem um sistema fisiológico de regulação do aquecimento do sangue, ao contrário do que acontece com os outros géneros animais.

Os investigadores da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) — o organismo que monitoriza a meteorologia, oceanos e atmosfera — descobriram que a espécie de peixe-lua Lampris guttatus é capaz de aquecer o sangue através da agitação das barbatanas peitorais e, mais importante, controla a perda de calor através de um sistema especial de vasos sanguíneos presentes nas guelras.

Não depender da temperatura da água ou da luz solar para aquecer o sangue é um mecanismo importante para garantir a performance onde a água é muito fria. Foi precisamente o comportamento deste peixe a grandes profundidades, onde se alimenta, que intrigava os cientistas.

Nas profundezas dos oceanos, os peixes (de sangue frio) movem-se devagar e têm um comportamento predatório de emboscada, ou seja, são pouco ativos no movimento, precisamente para não perderem energia e porque o metabolismo diminuiu com o frio. Mas o peixe-lua tem um comportamento ativo, semelhante ao que se observa nos predadores que vivem perto da superfície, onde a água é mais quente.

Outras espécies, tais como os tubarões e o atum, conseguem elevar a temperatura corporal com o movimento natatório, mas não têm a capacidade de a manter. O peixe-lua é, por isso, o primeiro peixe identificado como tendo um mecanismo fisiológico capaz de produzir e manter o sangue quente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pesteves@observador.pt
Ciência

Será a natureza politicamente incorrecta?

Isabel Soares
483

Quem tem mais do que 50 anos sabe bem como os costumes e tradições mudaram neste curto período de tempo. Mas foi uma mudança de baixo para cima, não imposta através do Estado, por via administrativa.

Estados Unidos da América

Os pupilos de Gingrich

Diana Soller

Que o percurso de Newt Gingrich nos sirva de lição para que não se cometam erros que se mascaram de vitórias no imediato, mas podem ter consequências importantes no médio-longo prazo.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site