Logo Observador
Arquitetura

Em breve, viver debaixo de água pode ser uma realidade

2.708

Um arquiteto belga está a planear a construção de um complexo que vai permitir viver, trabalhar e relaxar debaixo de água. E todos os edifícios serão feitos com o lixo acumulado no mar. Ora veja.

Vincent Callebaut Green Architectures/ Facebook

A vida debaixo do mar pode deixar de ser exclusiva da imaginação da Disney e afims. O arquiteto belga Vincent Callebaut revelou que está a planear a construção de uma aldeia ecológica subaquática capaz de acolher até 20 mil pessoas.”Aequoera” é o nome do projeto que inclui várias células presas ao fundo do mar através de um pilar em espiral coberto com raízes de mangais.

O projeto, que ainda está em fase de desenvolvimento, deverá ser posto em prática no Rio de Janeiro (Brasil) e nas cinco principais zonas de correntes oceânicas. Cada uma das células terá 500 metros de comprimento e 1000 metros de profundidade, o que resultará em 250 andares para habitação, laboratórios, escritórios, espaços agrícolas, jardins de coral e lagos de purificação de água. Cada casa (serão 10 mil habitações) vai ter entre 25 e 250 metros quadrados de área.

Estas casas exigirão um investimento de 1950 euros por metro quadrado e deverão ser impressas em 3D com recurso ao lixo acumulado na Grande Porção de Lixo do Pacífico, também chamado de “sétimo continente” e que inclui partículas poluentes que formam uma massa com 680 mil quilómetros quadrados de área. Tudo isto é explicado numa extensa carta aberta escrita por Océane, uma hipotética habitante do projeto Aequoera em 2065.

Agora, Vincent Callebaut está a estudar que ameaça oferecem as correntes fortes, os terramotos e as tempestades para a estabilidade da aldeia que está a planear construir. Mas o arquiteto acredita que a forma espiral do edifício contraria os movimentos marítimos, compensando a energia aplicada na construção, explica a CNN.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.