Cinema

Goran Radovanovic vence pela segunda vez o festival de cinema AVANCA

O filme "Enclave", do realizador sérvio Goran Radovanovic, venceu o prémio de melhor longa-metragem do festival internacional de cinema AVANCA 2016. É a segunda vez que o realizador vence este prémio.

O realizador sérvio volta assim a repetir o triunfo que conseguiu em 2011

JORGE GUTIERREZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O filme “Enclave”, do realizador sérvio Goran Radovanovic, venceu o prémio de Melhor Longa-metragem do festival internacional de cinema AVANCA 2016, anunciou a organização, este domingo.

O realizador sérvio volta assim a repetir o triunfo que conseguiu em 2011, quando conquistou o prémio mais cobiçado do AVANCA com o filme “The Ambulance”.

Ainda nas “longas”, Jessica Rodríguez (Cuba) foi distinguida com Prémio Especial do Júri com a longa-metragem “Espejuelos Oscuros”, tendo ainda sido atribuídas menções especiais para “Fallow”, de Laurent Van Lancker (Bélgica), e “Lua em Sagitário”, de Marcia Paraiso (Brasil, Argentina).

Este último filme foi também distinguido com o Prémio Estreia Mundial e Prémio Melhor Atriz, atribuído a Manuela Campagna, enquanto o prémio Melhor Ator foi atribuído a Tibo Vandenborre em “Fallow”, que recebeu ainda o prémio para Melhor Fotografia.

Na competição de curta-metragem, o prémio foi para “Nelly”, de Chris Raiber (Áustria). Os filmes “Jour Intranquilles”, de Latifa Said (França), e “Lila”, de Carlos Lascano (Argentina), foram distinguidos com menção especial, respetivamente para a atriz Farida Ouchani e para a “Mise en Scene”.

O Prémio Animação distinguiu o filme “Mamie”, de Janice Nadeau (França), enquanto o Prémio da Melhor Fotografia foi para Alex Sernambi, do filme brasileiro “O que teria acontecido ou não naquela calma e misteriosa tarde de domingo no jardim zoológico”, de Allan Souza Lima.

Na “Competição Avanca”, que reuniu 12 obras produzidas ou coproduzidas na região, foi distinguido o documentário “Afinando pessoas, pássaros e flores”, de Luís Margalhau, também distinguido com o Prémio Estreia Mundial, e a animação “Sendas”, de Raquel Felgueiras.

O documentário “A festa do nosso menino São Gonçalinho”, de Pablo Sant’Ana, foi distinguido com uma menção especial.

Nos prémios de televisão e vídeo, o documentário “Remenber Us”, da realizadora jordana Dalia Abuzeid, recebeu o Prémio Televisão e Prémio Estreia Mundial Televisão. O Júri atribuiu ainda uma menção especial ao filme “Fire, water, air”, de Anne Murat e David Bart (França).

Este júri atribuiu o Prémio Estreia Mundial Vídeo a “Landing”, de Filipe Martins, e menções especiais vídeo a “Pneuma”, de Antonello Matarazzo (Itália), e “Patarei Prison”, de Ricard Carbonell (Estónia).

A competição “Trailer in Motion” distinguiu o trailer “The clock makers dreams”, de Cashell Horgan (Irlanda), e o videoclipe “Irina R – Sailor”, de Angelo de Grande e Camilla Tomsich (França).

O vídeo “Up in the sky”, de Sami Natsheh (Espanha), recebeu uma menção especial.

Durante a Conferência Internacional Cinema – Arte, Tecnologia, Comunicação, o Prémio Fernando Gonçalves Lavrador, em homenagem póstuma a um dos mais relevantes investigadores portugueses na área da semiótica, estética e teoria do cinema, distinguiu os investigadores suiços Christian Iseli e Miriam Laura Loertscher, tendo sido atribuída uma menção especial à investigadora brasileira Janaína Oliveira.

No total, seis júris constituídos por 38 individualidades de oito países atribuíram 18 prémios e dez menções especiais.

O festival AVANCA, que já vai na 20.ª edição, durou dez dias e contou com cinco dias de competições, conferências e workshops internacionais.

Organizado pelo Cine-Clube de Avanca e pelo município de Estarreja, o festival tem o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual/Ministério da Cultura, Instituto Português do Desporto e Juventude, Turismo do Centro, Junta de Avanca, entre diversas entidades locais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site