Logo Observador
Literatura

“O nosso reino” de Valter Hugo Mãe recomendado ao 3ºciclo por “lapso informático”

1.058

O romance “O Nosso Reino”, de Valter Hugo Mãe, terá sido recomendado para o 3º ciclo pelo Plano Nacional de Leitura por erro informático, e passa a ser apenas recomendado para o ensino secundário.

Ricardo Castelo/Observador

Autor
  • Agência Lusa

O romance “O Nosso Reino”, de Valter Hugo Mãe, que gerou polémica pelas passagens de cariz sexual, sairá das leituras recomendadas no 3.º ciclo pelo Plano Nacional de Leitura para constar apenas do secundário, disse esta segunda-feira o comissário.

Não está em causa a sua qualidade literária, o que houve foi um problema de inserção na lista. O livro entrou no 3.º ciclo por lapso, porque foi escolhido para o secundário”, disse à Lusa Fernando Pinto do Amaral, comissário do Plano Nacional de Leitura (PNL).

São centenas de livros e dezenas de listas que integram o PNL, pelo que é normal que ocorram erros deste tipo, explicou o responsável, exemplificando com um caso semelhante que aconteceu há uns anos com um livro da escritora Alice Vieira.

De qualquer forma, o poeta desvaloriza a polémica, explicando que não se trata de uma obra de cariz erótico, mas de um livro com memórias de infância e que tem umas passagens com conteúdo sexual, que apareceram descontextualizadas da narrativa.

Assim, o livro continuará a integrar o PNL, mas na lista das leituras recomendadas para alunos do secundário.

“O Nosso Reino” estava nas listas dos livros de leitura recomendada para o 3.º ciclo do ensino básico, que abrange 7.º, 8.º e 9.º anos, portanto, alunos com idades compreendidas entre os 12 e os 15 anos.

A polémica surgiu quando pais de alunos do 8.º ano do Liceu Pedro Nunes, em Lisboa, que leram o livro nas férias do Natal, se aperceberam do seu conteúdo e protestaram.

A decisão de passar o livro para as listas do secundário foi tomada após uma reunião hoje à tarde com a comissão de especialistas que selecionam os livros.

Contudo, Fernando Pinto do Amaral sublinhou que esta decisão não foi uma “reação” à polémica, mas sim a correção de um lapso, que entretanto foi detetado.

O escritor reagiu, esta segunda-feira, na sua página de Facebook:

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
3.777

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.