Logo Observador
Música

Paco Bandeira destrói 50 mil CDs seus em protesto e grava momento em vídeo

4.295

É um protesto contra o download ilegal, contras as rádios nacionais que não passam música portuguesa e contra as Finanças. O músico português fê-lo de uma forma original que está a dar que falar.

Paco Bandeira usou um cilindro para destruir os CDs

Joaquim Alhinho/Facebook

O cantor português Paco Bandeira, de 72 anos, destruiu 50 mil CDs seus ao passar-lhes com um cilindro por cima, depois de os espalhar pelo chão. O momento, gravado em Sintra, ficou registado em vídeo e partilhado esta quinta-feira nas redes sociais.

A ação de Paco Bandeira é um protesto “contra aqueles que roubam os músicos portugueses, ao fazerem download da Internet, em vez de comprarem o trabalho de quem trabalha, contra aqueles que, à frente de rádios, não passam a música portuguesa, ou passam apenas a dos seus amigos”. A explicação é dada em voz off por Guilherme Leite.

E contra aqueles que não o deixaram [Paco Bandeira] oferecer os discos aos países lusófonos – para isso, teria de pagar às Finanças impostos como se de uma venda se tratasse”, justifica ainda.

Estes 50 mil CDs eram, na verdade, uma oferta que Paco Bandeira queria fazer aos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa). O cantor viu-se impedido de o fazer porque teria de pagar impostos às Finanças.

Toda a gente tira da Internet. Toda a gente faz cópias piratas. Estamos a passar a música a cilindro, que é na maior parte dos casos aquilo que muitas e muitas estações de rádio que nós pagamos fazem: que é passar música a cilindro”, disse Paco Bandeira no vídeo a fim de explicar os motivos que o levaram a fazer.

Atualização: o vídeo original, publicado no Facebook, ficou entretanto indisponível.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos