Rádio Observador

Arquitetura

Siza Vieira diz que o país atravessa momento de “paragem” na habitação social

Arquiteto Siza Vieira defendeque o país vive um momento de "paragem" na habitação social e que um programa como o Serviço Ambulatório de Apoio Local desenvolvido no pós-25 de Abril, é "irrepetível".

"Há uma reabilitação do trabalho feito", afirmou Siza Vieira

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O arquiteto Siza Vieira defendeu neste sábado, no Porto, que o país vive um momento de “paragem” na habitação social e que um programa como o Serviço Ambulatório de Apoio Local (SAAL), desenvolvido no pós-25 de Abril, é “irrepetível”. Convidado a participar num evento que decorreu na Associação de Moradores do Bairro da Bouça, e que teve o SAAL como principal enfoque, Siza Vieira mostrou-se pouco crente na possibilidade de assistir, na atualidade, a um processo semelhante.

“Possível é, mas não estão a ser criadas condições para isso. O que se verifica de um modo geral, em relação à habitação social, é que há uma paragem. É muito reduzido o que se faz e não só em Portugal”, lamentou, no final do evento.

Frisando que “a inviabilidade do SAAL começou quando o projeto começou a mexer com os problemas da cidade” (o programa durou apenas entre 1974 e 1976), Siza Vieira admitiu que foi uma enorme “satisfação” que, em 2006, viu o projeto do Bairro da Bouça, parado desde 1979, ser concluído, mas assumiu que o princípio que norteou a criação do mesmo acabou por não ser cumprido na totalidade.

“Houve, como aqui foi mencionado, algumas pessoas que gostavam de vir para cá e que não conseguiram chegar às condições que foram impostas para a venda das casas”, referiu. Ainda assim, defende, “não se perdeu tudo” porque “a maneira de encarar a habitação social não foi a mesma desde que houve o SAAL”.

O arquiteto congratulou-se também com o que apelidou de “revisão histórica”. “Há uma reabilitação do trabalho feito, que durante anos foi denegrido por falta de competência, falta de inteligência etc. Há uma revisão histórica, que chama a atenção para o que realmente foi o SAAL”, disse.

Este foi o primeiro de quatro encontros de cariz “ambulatório” que decorrerão em quatro bairros construídos no âmbito do SAAL- Norte (Bouça, Leal, Antas e São Vítor), no contexto da exposição “O Processo SAAL: Arquitetura e Participação”, que o Museu de Serralves está a apresentar.

O Serviço Ambulatório de Apoio Local (SAAL) surgiu na sequência da revolução de 1974 por iniciativa legislativa do então secretário de Estado da Habitação e Urbanismo, Nuno Portas, tendo por objetivo envolver as populações que residiam em condições precárias na resolução dos seus problemas habitacionais, junto do Estado e das brigadas que punham o projeto no terreno e envolveu arquitetos como Siza Vieira, Souto de Moura ou Gonçalo Byrne.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)