Espetáculos

Primeiro festival internacional de palhaças decorre nos Açores em 2015

A ilha de São Miguel, nos Açores, acolhe, em 2015, o primeiro festival internacional de palhaças, que pretende dar visibilidade a esta atividade e criar uma rede mundial das mulheres palhaças.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ilha de São Miguel, nos Açores, acolhe, em 2015, o primeiro festival internacional de palhaças, que pretende dar visibilidade a esta atividade e criar uma rede mundial das mulheres palhaças, revelou hoje a organização.

“Tal como noutras áreas, é um trabalho ainda muito invisível e, portanto, se estivermos mais juntas, cremos que isso vai dar maior visibilidade ao trabalho das palhaças”, afirmou à Lusa Maria Simões, das Descalças Cooperativa Cultural, entidade que promove o evento.

O festival, designado Bolina, vai decorrer de 30 de janeiro a 01 de fevereiro, em Ponta Delgada.

Além de oficinas de formação e intervenções em várias instituições, haverá também espetáculos de rua e outras iniciativas.

Maria Simões, que disse ser a única mulher nos Açores a viver como palhaça, adiantou que este evento resulta de um trabalho que desenvolve há mais de dez anos em vários países e da necessidade que encontrou de haver espaço para refletir, reunir e estabelecer uma maior ligação entre todas as profissionais deste ramo de atividade.

Segundo disse Maria Simões, neste primeiro festival, nos Açores, irá nascer uma rede internacional de palhaças, sendo que um dos objetivos passa por ter uma representante em cada um dos países do mundo, de modo a desenvolver ações estratégicas conjuntas.

Apesar das inscrições decorrerem até 15 de janeiro, Maria Simões revelou haver já muitas manifestações de interesse em participar no Bolina, sobretudo de palhaças do continente americano e europeu, dada a posição geográfica dos Açores, mas lamentou o pouco apoio institucional no arquipélago.

“Independentemente de ter um apoio residual da Direção Regional da Cultura, este é um festival que está a ser autossustentado. As participantes vão pagar as suas despesas, nomeadamente no que diz respeito aos transportes, e nós sabemos que é extraordinariamente difícil e, por isso, se calhar, vai ter pouca participação”, afirmou Maria Simões, acrescentando que todo o trabalho que as palhaças desenvolverem durante o festival será gratuito.

Para minimizar custos, a organização apela aos habitantes de S. Miguel para, se puderem, acolherem em sua casa uma participante do festival, assegurando o alojamento e as refeições.

Os interessados em colaborar devem dar conhecimento disse através do email bolinafestival@gmail.com.

“As palhaças vêm trabalhar, dar alegria, sorrisos, mostrar outra forma de olhar o mundo e recebem a possibilidade de conviver com uma família, durante a semana em que estão cá. Isso também tem um lado positivo de integração das artes na vida das pessoas em geral, para que a arte não seja uma coisa elitista”, referiu Maria Simões, alegando que o que está em causa é uma troca entre ambas as partes envolvidas.

Embora o festival decorra entre 30 de janeiro e 01 de fevereiro, haverá uma pré-festival entre 26 e 29 de janeiro, mais destinado à formação das palhaças e do público em geral, visitas a instituições e saídas de rua, ficando os três dias do festival mais destinados aos espetáculos propriamente ditos, que vão decorrer em vários locais.

O programa final do festival será anunciado a 31 de dezembro.

 

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)