Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tim Cook confirmou esta terça-feira que o Apple Watch, o primeiro wearable da Apple vai ser posto à venda no mês de abril. No decorrer de uma conversa com analistas, o diretor executivo confirmou que “o desenvolvimento do Apple Watch está dentro do prazo” e que a resposta dos programadores tem sido extraordinária na produção de aplicações para o novo “relógio” da Apple.

A apresentação oficial foi feita em conjunto com os iPhone 6 e 6 Plus, no passado mês de setembro, mas a data de lançamento então anunciada foi um vago “no início de 2015”. É um dos gadgets mais esperados do ano e nos últimos dias surgiram rumores de que a bateria não irá ter uma autonomia além das 2h30 em utilização intensiva, o que está muito abaixo das 24 horas inicialmente divulgadas. Ao que parece, esta drástica diminuição deve-se à introdução no Apple Watch de um processador mais potente e de um ecrã com melhor qualidade que o inicialmente previsto. Contudo, só em abril vai ser possível confirmar qual a autonomia real em uso e em modo stand-by.

O relógio da Apple vai estar disponível em dois tamanhos, três coleções (Apple Watch, Apple Watch Sport e Apple Watch Edition) e cinco braceletes. Se ao aspeto exterior forem somadas as diferentes configurações de software, as combinações finais chegarão aos 2 milhões. Apenas o preço do modelo de entrada é conhecido: 349 dólares (provavelmente, o mesmo valor em euros). Contudo, o modelo mais caro deverá ultrapassar os mil dólares.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR