É, talvez, a desculpa perfeita para meter a família inteira a lavar a loiça, em particular os mais novos. Um novo estudo, citado pela Time, sugere que esfregar a loiça à mão, em vez de esperar que a máquina faça o serviço, pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de alergias. E o que é que uma coisa tem que ver com outra? Passamos a explicar.

O estudo publicado na revista de âmbito científico Pediatrics (publicação oficial da Academia Americana de Pediatras) alimenta a ideia de que a sujidade, em pequenas quantidades, é capaz de ter efeitos positivos no sistema imunitário. Tal remete para a “hipótese da higiene”, que especula que a razão por que as crianças desenvolvem tantas alergias hoje em dia deve-se aos ambientes demasiado limpos em que se inserem. O conceito defende ainda que a falta de exposição às bactérias, numa primeira fase da vida, não permite que o sistema imunitário dos mais novos se torne tão resistente.

“Se estamos expostos a micróbios, especialmente numa primeira fase da vida, nós estimulamos o sistema imunitário de várias formas e [ele] torna-se tolerante. Pensámos que [lavar a loiça à mão] podia ser importante, mas não sabíamos, então fizemos essa questão.”

Dr. Bill Hesselmar, autor do estudo

O autor do estudo — Dr. Bill Hesselmar, do Queen Silvia Children’s Hospital — e a sua equipa questionaram pais e encarregados de 1,029 crianças suecas (país onde se encontra a instituição médica referida) com idades compreendidas entre os sete e os oito anos. No processo descobriram que as crianças provenientes de lares onde a família lavava a loiça à mão tinham menos probabilidade de ter alergias: apenas 23% dos mais novos tinham um historial de eczema, por oposição a 38% cujas famílias usavam sobretudo a máquina de lavar a loiça.

Mas não é preciso pôr os filhos de volta do lava-loiças até porque, como nota Hesselmar, algumas das crianças podem ser demasiado novas para isso. Motivo pelo qual a resposta pode estar na lavagem manual da loiça a longo prazo. A Time refere que alguns estudos anteriores mostraram que, comparando os dois métodos de lavagem, a máquina lá de casa é mais eficiente na remoção de bactérias. Há, no entanto, outros fatores que podem estar associados ao estilo de vida de famílias que lavam a loiça à mão: como casas sobrelotadas, baixo nível socioeconómico e a imigração, o que pode contribuir para um menor risco de desenvolver alergias.

Apesar de tudo, o estudo tem por base a observação e não é possível confirmar a casualidade dos eventos descritos. Mais, a publicação norte-americana menciona que a pesquisa deixa algumas questões em aberto. Um exemplo? Porque é que a lavagem manual está apenas associada a uma menor probabilidade de eczema e não outros tipos de sintomas relacionados com a alergia, como asma. Hesselmar, segundo consta, está à procura da resposta.