563kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Não subestimem os HoloLens: "É tudo verdade"

Este artigo tem mais de 5 anos

Os óculos holográficos da Microsoft poderão tornar-se num produto comercial mais cedo do que se imagina. Quem já experimentou, gostou.

i

HoloLens/Microsoft

HoloLens/Microsoft

Os óculos holográficos da Microsoft poderão vir a ser um produto comercial muito em breve. Segundosite MIT Technology Review, a multinacional está a fazer rápidos progressos com os HoloLens, o wearable que permite visualizar objetos virtuais a três dimensões no espaço real.

Não foram anunciadas datas, embora a Microsoft pretenda lançar o dispositivo “no período de tempo do Windows 10” (seja lá quando isso for). A conferência Build 2015 — que decorreu em São Francisco (EUA) entre 29 de abril e 1 de maio — foi palco de algumas demonstrações das funcionalidades dos óculos HoloLens.

Paulo Bastos, jornalista da TVI, foi um dos dois portugueses que puderam testar esta nova tecnologia. Momentos depois da experiência, o jornalista publicou um vídeo no Facebook onde explicava detalhadamente e “sem reflexão” o que são, afinal, os HoloLens da Microsoft.

Hey! Acabo de experimentar o HoloLens da Microsoft... e é tudo verdade. Sou um dos dois primeiros portugueses a ter o...

Posted by Paulo Bastos on Thursday, April 30, 2015

“É tudo verdade”, começa Paulo Bastos por dizer no vídeo, com “os olhos completamente abertos” e ainda “sob os efeitos da experiência”. A imagem “é suave” e o efeito “é imediato”, acrescenta. O jornalista conta também como os HoloLens são diferentes da realidade virtual, “porque não há uma imersão completa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por um lado, os hologramas são bem detalhados e sem píxeis visíveis, além de que a imagem não apresenta qualquer latência, mesmo quando se executam movimentos bruscos com a cabeça. Mas, por outro lado, o campo de visão é “extremamente limitado” — embora Paulo Bastos refira que essa limitação possa estar relacionada com uma má “afinação” do aparelho.

A Microsoft também não ignora as questões relacionadas com a compatibilidade das aplicações. Segundo o site The Verge, a empresa está focada no desenvolvimento de apps com compatibilidade transversal a todos os tipos de aparelhos que vão correr o novo sistema operativo Windows 10. “Estamos a falar de uma plataforma, uma única app, um único ficheiro binário que pode ser executado em todos os dispositivos”, grupo onde se incluem os HoloLens.

Num outro artigo publicado no mesmo site — e intitulado “As aplicações do Windows 10 nos HoloLens parecem fantásticas e completamente ridículas” — Ross Miller descreve o que viu na conferência Build 2015:

Há aplicações a correr nas paredes. Um cão em holograma no chão. Há hologramas em todo o lado. Parece um espaço pessoal que se pode personalizar. É literalmente uma praia com as informações da meteorologia em cima da mesa do café. Até há um menu Iniciar em holograma! — Ross Miller, The Verge

Miller também cita Alex Kipman, designer dos HoloLens: “Tudo o que viram aqui hoje [na conferência Build] são apps universais. Com os hologramas, tu tens uma nova tela. As tuas aplicações ganham vida.”

Mas para que servem os HoloLens?

Além de representarem um avanço nas tecnologias de computação, os HoloLens desdobram-se numa série de possibilidades em áreas tão distintas como a educação, o design, a arquitetura ou até mesmo os jogos de vídeo. São muito diferentes do Google Glass — os óculos da Google — mas com um igual poder de revolucionar a forma como “vemos” e lidamos com a tecnologia.

Ao que tudo indica, os HoloLens são um projeto para ser levado a sério e a Microsoft parece estar a dar tudo por tudo para nos fazer acreditar nisso. E enquanto esperamos, nada melhor do que saciar a curiosidade com as demonstrações em vídeo já existentes na Internet.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.