Imagine dois robôs gigantes, ambos pilotados por humanos, a lutar num agressivo duelo robótico. E como se isso bastasse para ser entusiasmante, imagine dois dos países mais tecnologicamente evoluídos do mundo medirem a força dos seus robôs. Se há uns anos isto seria uma fantasia de qualquer fã de tecnologia, hoje já é realidade. Duas companhias dedicadas ao fabrico de robôs, uma japonesa e uma norte-americana, vão confrontar a força dos seus protótipos.

A empresa americana de engenharia MegaBots desafiou a empresa japonesa Suidobashi, no passado dia 30 de junho, através de um vídeo, sublinhando “a inovação e determinação americana”. “Acabámos de dar os últimos toques no Mark II, o primeiro robô americano, gigante e pilotado, totalmente funcional”, disseram os dois fundadores dos MegaBots. “E como somos americanos, incorporámos armas mesmo muito grandes”, acrescentou. A luta aconteceria dentro de um ano, colocando frente-a-frente os dois robôs.

A Suidobashi apenas demorou uma semana para aceitar o desafio, também em vídeo, impondo apenas uma condição: o combate seria apenas com mãos robóticas, especialidade da companhia japonesa que desenvolveu a tecnologia de mãos do Kurata, o robô japonês.

“A minha reação? Vá lá rapazes, criem um robô que pareça mais fixe. Apenas construir algo gigantesco e colar armas… isso é super americano”, provocou o CEO japonês Kogoro Kurata. “Não podemos deixar outro país ganhar isto. Os robôs gigantes fazem parte da cultura japonesa. Por isso precisamos de um combate corpo-a-corpo”.

524449_347630381982954_1474921307_n

O japonês Kurata é o primeiro robô gigante pilotado totalmente funcional

A luta coloca frente-a-frente o americano Mark II, um robô que pesa 5443 quilos e que mede aproximadamente 4,5 metros de altura, contra o japonês Kurata, que pesa 4082 quilos e que mede aproximadamente 4 metros. Apesar de o Mark II ter armas incorporadas, o Kurata ultrapassa o robô americano no que toca a “tecnologia de mãos”.

Veremos se, dentro de um ano, as duas companhias cumprem com a palavra e mostram ao mundo aquilo que a Business Insider considera “o próximo desporto multimilionário”.