436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Mapas interativos para ajudar professores e educadores

Este artigo tem mais de 5 anos

São mais de 30 mapas interativos que prometem dinamizar a forma como os professores dão aulas. Primeiro deu um livro, mas o projeto "Google Earth na Sala de Aula" também já tem site.

Este mapa, com a identificação das áreas protegidas em Portugal continental, é um dos 30 mapas interativos que já podem ser explorados no site do projeto.
i

Este mapa, com a identificação das áreas protegidas em Portugal continental, é um dos 30 mapas interativos que já podem ser explorados no site do projeto.

Luís Correia Antunes / Google MyMaps

Este mapa, com a identificação das áreas protegidas em Portugal continental, é um dos 30 mapas interativos que já podem ser explorados no site do projeto.

Luís Correia Antunes / Google MyMaps

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A base dos mapas é da Google. Mas é só mesmo a base, porque o projeto é de Luís Correia Antunes, um apaixonado por ensino e cartografia. Autor do livro Google Earth na sala de aula, Luís Antunes acaba de lançar o site mapasnasaladeaula.org, onde rompe com as limitações do papel “com criatividade e originalidade”.

Mas que projeto é este? A ideia passa por criar condições “para a aplicação de novas tecnologias geográficas” em ambiente de sala de aula e, também, noutras áreas de interesse. Os mais de 30 mapas disponíveis no site abrangem áreas tão diversas como “o turismo, ambiente, proteção civil [e] ordenamento de território”, lê-se na página.

Melhor do que falar sobre eles, há que os ver e interpretar. Por exemplo, um desses mapas mostra a localização dos principais rios de Portugal.

Outra das propostas inclui a identificação das áreas protegidas classificadas pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas. Segundo o autor, para além da descrição de cada uma delas — com dados “como o nome, a classificação, a jurisdição e a publicação do diploma que legislou a área” — o mapa agrupa as áreas por classificação, “facilitando a navegação e a visualização das diversas zonas protegidas”.

Para além dos recursos cartográficos, este projeto sem fins lucrativos aposta na formação. De acordo com o site, o próprio autor, Luís Antunes, já deu aulas na Universidade da Madeira e há dez anos que “ministra formações e workshops a professores e educadores”. Por isso, há ainda um canal no YouTube, com várias explicações acerca do uso deste tipo de aplicações interativas. A principal ferramenta é o programa Google Earth, cujo licenciamento da versão profissional é agora gratuito.

Com todos estes recursos à disposição do público, o projeto “Google Earth na Sala de Aula” pretende ser “uma base de apoio para o desenvolvimento e apresentação de conteúdos programáticos por parte dos professores e educadores, de qualquer área curricular”. E, por se tratar de uma iniciativa geocolaborativa, todos são chamados a “fazer parte do projeto”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.