“O Desolado”, o segundo filme de “As Mil e Uma Noites”, de Miguel Gomes, foi proposto pela Academia Portuguesa de Cinema para o prémio de melhor filme ibero-americano dos Goya, os prémios de cinema de Espanha.

Depois de uma candidatura aos Óscares, a Academia Portuguesa de Cinema anunciou hoje que propõe o mesmo filme de Miguel Gomes para os Goya, que serão entregues em Espanha em fevereiro de 2016.

Em “O Desolado”, Miguel Gomes ficciona a história do suicídio de um casal em Santo António dos Cavaleiros, nos arredores de Lisboa, e o caso de Manuel Baltazar, o homem que andou a monte vários dias depois de ter assassinado duas mulheres e ferido outras duas em Valongo dos Azeites. É ainda encenado um julgamento de vários casos judiciais em simultâneo, numa espécie de resumo do estado da justiça portuguesa.

“O Desolado”, que se estreia nos cinemas portugueses no dia 24 de setembro, é o segundo de três filmes que Miguel Gomes rodou sob o título “As Mil e Uma Noites” e que retratam Portugal à luz da intervenção da troika, com ficções inspiradas em factos e relatos verídicos, sobre desemprego, austeridade, casos de justiça ou luta sindical. Nos filmes, as histórias são narradas por Xerazade, remetendo para a estrutura dos contos de As Mil e Uma Noites.

“As mil e uma noites”, exibido em Cannes, premiado na Austrália e na Polónia, e com estreia garantida em trinta países, integra os volumes “O inquieto” – já estreado em Portugal -, “O Desolado” e “O Encantado”, com estreia marcada para 8 de outubro.