Justiça

Operadores judiciários fazem balanço negativo da reforma do mapa judiciário

Os operadores judiciários teceram várias críticas ao novo mapa judiciário, com a Ordem dos Advogados a considerar que a reforma operada não cumpriu nenhum dos seus objetivos.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os operadores judiciários teceram esta quarta-feira, em Coimbra, várias críticas ao novo mapa judiciário, com a Ordem dos Advogados (OA) a considerar que a reforma operada há um ano pelo Governo não cumpriu nenhum dos seus objetivos.

“Fundamentalmente, esta reforma é feita em nome da celeridade, da especialização e da proximidade, e, para já, agravou a celeridade, aumentou as pendências e distanciou a justiça dos cidadãos”, disse Eldad Manuel Neto, vice-presidente da OA.

O dirigente dos advogados falava no colóquio “Mapa Judiciário – Um ano de balanço”, promovido pelo Conselho Regional de Coimbra da OA e pela associação República do Direito, que juntou representantes da Associação Sindical dos Juízes Portugueses , do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, do Sindicato dos Funcionários Judiciais e do Observatório Permanente da Justiça.

Segundo Eldad Neto, existem tribunais que correm o risco de ficar sem processos por causa da sua desclassificação, enquanto outros, na periferia, “numa visão da reforma administrativa completamente desajustada, se afogaram na migração de processos que torna praticamente impossível dar resposta a uma inundação processual dessa ordem”.

“Temos de introduzir medidas urgentes, por forma a minorar aspetos gravíssimos desta reforma e, portanto, é possível com o poder político, a OA, os magistrados e os funcionários judiciais investir um pouco mais na justiça, para que alguns aspetos muito maus possam ser ligeiramente reinvertidos e corrigidos de forma a que a justiça regresse como deve ser aos tribunais, ao interior profundo e à cidadania”, sublinhou.

Por seu lado, João Paulo Raposo, secretário-geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), considera que a reforma apresenta uma grande falha, que resulta da falta de funcionários de justiça, embora aponte alguns aspetos positivos.

Bastante incisivo nas críticas, António Ventinhas, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, disse que o Ministério da Justiça procedeu a uma “reforma ‘low cost’, sem funcionários, sem magistrados em número suficiente, sem instalações adequadas e sem sistema informático seguro e fiável”.

Denunciando que existem processos por desempacotar há cerca de um ano e que faltam 200 magistrados do Ministério Público, o dirigente sindical salientou que o Governo “pretendeu assim, sem dinheiro e sem quaisquer meios, fazer uma grande reforma”.

“O grande fator da reforma que era especialização não foi verdadeiramente alcançado devido à falta de magistrados, que tiveram de acumular várias jurisdições”, considerou ainda António Ventinhas.

Para o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, o Ministério da Justiça, o Estado e a política geral de vários Governos “assenta essencialmente numa perspetiva completamente miserabilista da Justiça, não a valorizando como uma função soberana”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)