O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse ter tido “um grande desgosto” com a morte de Nicolau Breyner, “um grande artista, grande coração e grande amigo” e que teve uma “vida culturalmente e humanamente muito rica”, em declaração oficial no Palácio de Belém.

“Acabei de saber que morreu Nicolau Breyner e tive um grande desgosto. Um grande desgosto não só por ser um grande artista, um grande coração e um grande amigo”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, numa declaração no Palácio de Belém, em Lisboa.

O Presidente da República saudou “uma carreira e uma vida que foi uma vida culturalmente e humanamente muito rica”, associando-se “ao pesar da família e dos amigos”.

“Tinha estado com ele há dois dias na Livraria Sá da Costa na inauguração de uma exposição ao fim da tarde e parecia-me de saúde, como sempre muito feliz, muito caloroso, muito amigo. Eu não podia prever este desenlace”, disse ainda.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sendo “amigos há décadas”, Marcelo disse que tem memória de “muitos episódios”.

“Acompanhei muito de perto a sua atividade e era uma grande figura como artista, como coração, como pessoa e como amigo”, concluiu.