Auto

Trabalhadores da Renault Cacia rejeitam cortes, face a resultados da empresa

286

A comissão de trabalhadores da Renault Cacia critica a empresa por recorrer a trabalho precário e fazer cortes no prémio de eficácia e evolução profissional.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A comissão de trabalhadores da Renault de Cacia responsabilizou a administração por “eventuais conflitos laborais”, caso persista em recorrer a trabalho precário e em fazer cortes no prémio de eficácia e na evolução profissional.

A entidade representativa dos trabalhadores alega que estes “não vêm o seu esforço reconhecido” do contributo que dão “para o sucesso da Renault Cacia, que foi considerada a melhor fábrica do grupo no mundo a nível de caixas de velocidade”.

Em vez disso, acusam, a administração altera as regras “que desde sempre foram negociadas entre as partes, nomeadamente, o prémio “EFICÁCIA” e as Evoluções Profissionais”, e recorre ao trabalho precário.

“Cerca de 300 trabalhadores são de empresas de aluguer de trabalhadores, que estão a ocupar postos de trabalho permanentes e, por isso, deveriam ser trabalhadores efetivos da Renault”, denuncia a CT, comentando que a empresa “usa e abusa do recurso a trabalhadores com vínculo precário”.

“Perante este quadro, entre a excelência de resultados e a incompreensível e inaceitável atitude perante os trabalhadores”, a comissão de trabalhadores sublinha que tem vindo a apresentar à administração propostas que “visam a correção dessa atitude” e adverte que “tais cortes” e “medidas” terão reflexos na paz social alcançada no último Acordo Sócio Laboral”.

A posição da comissão de trabalhadores, assumida esta segunda-feira em comunicado, surge um ano depois de ter assinado com a direção da Renault Cacia um acordo laboral que permitiu o regresso da paz social à empresa, depois de um ciclo de greves a todos os turnos, que se estendeu por dois meses, em que exigia que a melhoria dos resultados se refletisse nos salários e que fossem integrados no quadro trabalhadores que vinham prestando serviço a título precário.

Esse acordo laboral ficou com validade definida para um ano e os representantes dos trabalhadores assumem a possibilidade do regresso aos conflitos laborais, caso a administração ignore as suas aspirações.

Com 1.016 trabalhadores, a fábrica da Renault Cacia, em Aveiro, exporta caixas de velocidade e componentes de motor para diversos modelos da Renault.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)