Rádio Observador

Música

À escuta: três álbuns para ouvir este fim de semana

A voz de Beth Orton, a luz de Gold Panda e a britpop de Richard Ashcroft. O vocalista dos The Verve continua bom de ouvir, mas é cada vez mais difícil olhar para ele.

Recorte da capa de "Kidsticks" de Beth Orton

Beth Orton

Kidsticks

A cantora e compositora britânica Elizabeth Orton é pouco conhecida entre nós e essa é uma das boas razões para dar destaque ao novo Kidsticks, oitavo disco de estúdio. Juntamos mais dois argumentos simples e poderosos: a voz característica, que nunca se esquece; e a habilidade com que continua a misturar a música folk com a eletrónica.

Mais de duas décadas depois do álbum de estreia, Beth Orton não perdeu a virtude da descoberta, desta vez com a ajuda de outro “miúdo” chamado Andrew Hung (uma das metades dos Fuck Buttons), na produção. Kidsticks não resultou num doce — como foram Daybreaker (2002) ou Central Reservation (1999) — mas também não é disruptivo ou absolutamente inédito.

Beth Orton tem 45 anos, ainda é cedo para saber se este álbum vai entrar na lista das suas obras fundamentais, mas é seguramente uma pegada no chão, uma marca da maturidade artística. Que o tempo lhe continue a moldar os reflexos como bem lhe apetecer, mas que nunca lhe estrague a voz.

Gold Panda

Good Luck and Do Your Best

Derwin é, assumidamente, o primeiro nome do músico, produtor e compositor inglês. O apelido continua a não ser do domínio público mas isso não lhe retira a importância no panorama da música eletrónica, é apenas um detalhe (ou mania) numa carreira que soma agora, às inúmeras colaborações e remisturas, o terceiro álbum.

Good Luck and Do Your Best foi inspirado numa viagem que fez ao Japão em 2014, com a fotógrafa Laura Lewis. É outro pormenor, porque quem não souber disto continuará a não ver (ouvir) Japão em lado nenhum, mas depois sabendo, de repente aparece a luz do Oriente por toda a parte, mesmo a quem nunca lá tenha estado.

Foi esse o poder das imagens captadas por Laura Lewis, sintetizado pelo músico em 11 temas e menos de três quartos de hora. Parece pouco para uma viagem tão grande, mas resultou num tiro de boa energia e sorte.

Richard Ashcroft

These People

Apresentou-se ao mundo pela porta grande que foram os The Verve, que lhe encheram o ego durante quase toda a década de 1990. Um ano depois de sair desse salão que foi a grande banda, o artista britânico seguiu a solo com Alone With Everybody (2000), um disco notável que, mais do que lhe ter valido a platina, o colocou na rota dos grandes vocalistas e compositores da britpop dessa década. Depois desse saíram outros dois em nome próprio (o último em 2006), cada qual um carimbo de popularidade no top das tabelas de vendas.

Agora, dez anos depois, Ashcroft regressa com o quarto álbum a solo, com idêntica inspiração na música mas com bastante menos graça na pose e no estilo. O vídeo que ilustra o single que se segue não tem ponta por onde se lhe pegue, mas que isso não se torne uma distração para a boa pop.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)