Durou poucas horas a candidatura de Paulo Paiva dos Santos à presidência do Sporting Clube de Portugal. O empresário disse à Antena 1 que mudou de ideias e que, afinal, já não vai concorrer contra Bruno de Carvalho nas eleições de março próximo.

No domingo à noite, pouco depois da derrota da equipa principal de futebol, em Alvalade, frente ao Sporting de Braga, o fundador da farmacêutica Generis escreveu no Facebook que tinha decidido avançar às eleições de março “face ao atual momento” do clube.

O post foi entretanto apagado, mas Paulo Paiva dos Santos disse ao Diário de Notícias que entrava na corrida presidencial porque “o Sporting tem vindo a piorar de ano para ano”, o que é “uma vergonha”. “Eu não sei se a culpa é de Bruno de Carvalho e da sua gestão ou de Jorge Jesus, no caso do futebol, que é a modalidade mais visível, o que sei é que o Sporting anda a ser gozado como instituição e isso não pode jamais acontecer”, disse ainda o empresário ao jornal.

Nas últimas eleições, em 2013, o nome de Paiva dos Santos chegou a ser falado para concorrer contra Bruno de Carvalho, mas o dono da Generis acabou por não avançar. Na votação de 2011, o empresário foi candidato a vice-presidente nas listas de Pedro Baltazar.