Rui Vitória renovou esta sexta-feira contrato com o Benfica até 2020. O treinador que chegou no último verão à Luz vê assim confirmada a aposta já antes revelada pelo presidente dos encarnados, Luís Filipe Vieira, numa altura em que pode conseguir a dobradinha (Primeira Liga e Taça de Portugal) e conquistar um inédito tetracampeonato na história do clube. A restante equipa técnica prolongou também o seu vínculo.

Apesar da complicada tarefa que tinha em mãos após seis anos de reinado de Jorge Jesus na Luz, o antigo treinador do V. Guimarães teve um arranque titubeante mas acertou o passo e conseguiu excelentes resultados na primeira temporada: ganhou a Primeira Liga com o recorde de pontos (88) numa prova disputada até à última jornada; venceu a Taça da Liga, batendo na final o Marítimo por 6-2; e alcançou os quartos-de-final da Liga dos Campeões, sendo apenas afastado pelo Bayern Munique numa eliminatória bem mais equilibrada do que previamente se poderia antever.

Apenas na Supertaça (final) e na Taça de Portugal (quarta eliminatória) o Benfica não conseguiu atingir os seus objetivos, tendo perdido em ambas as situações com o Sporting.

Esta época, os encarnados não conseguiram chegar tão longe na Liga dos Campeões (oitavos-de-final, perdendo com o Borussia Dortmund) nem venceram a Taça da Liga (saíram derrotados da meia-final com o Moreirense), mas já conquistaram a Supertaça (3-0 frente ao Sp. Braga), lideram a Primeira Liga com mais um ponto do que o FC Porto e asseguraram presença na final da Taça de Portugal, onde irão defrontar o V. Guimarães.

No total, Rui Vitória soma um total de 98 partidas oficiais no comando das águias, com 72 vitórias, 11 empates e 15 derrotas. Em paralelo, e depois dos 122 golos apontados em 2015/16, os encarnados já passaram novamente a barreira dos 100 golos (101, tendo ainda mais oito encontros por disputar entre Primeira Liga e Taça de Portugal).

O técnico poderá entrar na história do clube este domingo, em caso de vitória com o Moreirense: igualará Jimmy Hagan como o treinador que mais cedo atinge a vitória 50 na Primeira Liga (62 jogos). Uma oportunidade que viu adiada nos últimos dois jogos, em Paços de Ferreira e contra o FC Porto.