Companhias Aéreas

Passageiro expulso à força de avião da United Airlines por falta de lugares

350

Um passageiro foi retirado de forma violenta de um avião da companhia aérea United Airlines, que se justificou com a falta de lugares. O episódio foi filmado e está a gerar polémica nas redes sociais.

O voo 3411 da United Airlines de Chicago para Louisville estava sobrelotado

AnGobanSaor/Twitter

Um passageiro foi expulso violentamente do avião que fazia a ligação entre Chicago e Louisville no último fim de semana. O episódio foi filmado por outros passageiros e publicado no domingo no Facebook. A onda de contestação já se espalhou por várias redes sociais.

De acordo com alguns utilizadores das redes sociais, o homem expulso é um médico asiático que viajava para Louisville para consultar alguns pacientes. No vídeo, com cerca de 30 segundos, pode ver-se um homem a ser brutalmente retirado do seu lugar pela polícia e, de seguida, arrastado pelos braços ao longo do corredor do avião, por um segurança. Vê-se também choque de outros passageiros.

Segundo uma testemunha, os passageiros foram questionados no momento do embarque acerca da possibilidade de trocar de voo. Nenhum passageiro manifestou interesse em mudar mas os funcionários da companhia deixaram que todos entrassem. A United Airlines emitiu um comunicado em que justificava a sua ação por falta de lugares no avião.

O voo 3411 de Chicago para Louisville estava sobrelotado. Depois da nossa tripulação procurar por voluntários, um passageiro recusou-se a sair do avião voluntariamente e a polícia foi chamada. Pedimos desculpa pela situação de falta de lugares. Mais detalhes acerca do passageiro expulso serão reportadas às autoridades” pode ler-se no comunicado.

Audra Bridges, quem publicou o vídeo no Facebook, revelou que um gerente da United Airlines apareceu no avião com um computador e selecionou quatro passageiros aleatoriamente para sair. Um deles era o médico do vídeo que depois de apresentar as circunstâncias que faziam com que tivesse de estar em Louisville na manhã seguinte foi mesmo assim expulso à força. Depois de ser retirado, o homem acabou por regressar ao avião, ensanguentado e com tonturas.

O voo acabou por atrasar cerca de duas horas e os passageiros não tardaram a reagir através das redes sociais. “Fica-se desabilitado depois de recusar sair voluntariamente do lugar no avião. É como a United funciona”, lê-se num dos tweets.

Ainda esta segunda-feira, Oscar Munoz, o diretor da United Airlines, reagiu à situação através do Twitter e emitiu um comunicado em que se pode ler: “Esta foi uma situação perturbadora para todos nós aqui na United. Peço desculpa por termos de reacomodar os passageiros. A nossa equipa está trabalhar de forma urgente com as autoridades e a conduzir a nossa própria revisão detalhada do que aconteceu. Estamos também a tentar chegar ao passageiro em questão para falar diretamente com ele e obter a sua morada e resolver esta situação”

No mês passado, a mesma companhia esteve envolvida num episódio polémico não muito diferente deste. Duas crianças foram impedidas de entrar no avião porque estavam a vestir leggings que, de acordo com a United Airlines, não obedece ao dress code da companhia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)