Literatura

Nove dias para falar das cartas de Leonard Cohen, Agustina ou Nanni Moretti

371

Entre 2 e 18 de maio, dois convidados por dia falam sobre cartas que fizeram história na Universidade de Lisboa. Beatriz Batarda, Pedro Mexia e António Feijó são alguns dos nomes confirmados.

Getty Images

A ideia é simples: durante nove dias, dois convidados por dia falam sobre uma carta, porque é ou foi importante, que história tem e que legado deixou. Ciência e literatura, religião e arte, mais a inevitável política vão ser temas em discussão. Por exemplo: Pedro Adão e Silva fala sobre a carta de Leonard Cohen para Marianne; António Feijó recorda as palavras que Agustina Bessa-Luís escreveu a José Régio; o que Amílcar Cabral escreveu a Maria Helena, por Beatriz Batarda; e Pedro Mexia lembra o que Groucho Marx disse a TS Eliot. Correspondência aberta e em discussão no ciclo de conferências “Nove Dias Sobre Cartas”, na Universidade de Lisboa.

O método é este: cada convidado fala durante 25 minutos sobre a carta escolhida. No fim das duas apresentações diárias há um momento para perguntas do público e respostas dos oradores. A entrada é livre, convém apenas que seja feita uma inscrição prévia — avisa a organização que os lugares dos diferentes auditórios devem esgotar. E a todos os inscritos poderá ser enviado uma antologia com as cartas em discussão (o formato é um ficheiro PDF e deverá ser requisitado quando for feita a inscrição). No último dia de conferências está prevista uma visita guiada ao Laboratório Chimico do Museu de História Natural e da Ciência.

A entrada será livre, mas recomenda-se a inscrição no curso. Será enviada, em formato PDF, uma antologia com as cartas a todos os inscritos que a solicitarem. Os participantes poderão ainda fazer uma visita guiada ao Laboratório Chimico, situado no Museu de História Natural e da Ciência, no último dia do ciclo.

Sempre de terça a quinta-feira, nas três primeiras semanas de maio, às 18 horas, em três espaços diferentes. É este o programa final, com dias e locais:

Reitoria da Universidade de Lisboa, sala dos reitores

2 de Maio
Alexandre Palma: Epístola a Diogneto
Tiago Cavaco: Lutero aos Conselhos de todas as cidades da Alemanha

3 de Maio
Jorge Braga de Macedo: Academia Britânica à Rainha Isabel II
Joana Rigato: Dorothy Day em resposta a uma pergunta de um leitor

4 de Maio
Pedro Adão e Silva: Leonard Cohen a Marianne Ihlen
Inês Fonseca Santos: Anne Sexton a Philip Legler

Instituto Superior Técnico, auditório do pavilhão central

9 de Maio
Albino Maia: Theodore Roosevelt a Charles Davenport
Jacinto Lucas Pires: “Caro Diario” de Nanni Moretti

10 de Maio
Clara Rowland: Carta a Três Mulheres de Joseph Mankiewicz
João Paulo Esteves da Silva: Gilbert Simondon a Jacques Derrida

11 de Maio
António M. Feijó: Agustina Bessa-Luís a José Régio
Abel Barros Baptista: Carta de Condução

Museu Nacional de História Natural e Ciência, auditório Manuel Valadares

16 de Maio
Pedro Mexia: Groucho Marx a TS Eliot
Miguel Poiares Maduro: Robert Schuman a Konrad Adenauer

17 de Maio
Gonçalo Almeida Ribeiro: Magna Carta
Rui Ramos: Rei D. Carlos a João Franco

18 de Maio
Marta C. Lourenço: A.W. von Hoffmann a José Júlio Rodrigues
Beatriz Batarda: Amílcar Cabral a Maria Helena

Informações e inscrições através do email da organização e do facebook do evento.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)