É australiana, mas nasceu no Havai. Aos 15 anos, Nicole Mary Kidman estreou-se à frente das câmaras, mas as portas do estrelato só se abriram no romper dos anos 90, quando protagonizou, ao lado de Tom Cruise, os filmes “Dias de Tempestade” (1990) e “Horizonte Longínquo” (1992). A química entre a dupla não ficou só pelo grande ecrã, mas o casal sensação de Hollywood separou-se em 2001. Dos 11 anos de casamento restaram dois filhos adotivos e uma mão cheia de filmes.

Pelo caminho ficaram também os caracóis e as feições redondas com que Nicole Kidman aterrou na indústria do cinema. A atriz chega aos 50 anos, celebrados esta terça-feira, com uma das silhuetas mais esguias de Hollywood. Os rumores em torno de cirurgias plásticas vão e voltam, embora a australiana negue ter recorrido a este tipo de intervenção. A aventura com o botox, essa sim, é certa, mas Kidman já afirmou publicamente que não quer voltar a repetir a proeza.

Ao longo dos últimos 30 anos, Nicole Kidman habituou as objetivas às aparições em casal. Depois de Tom Cruise, a atriz faz questão de pisar a passadeira vermelha quase sempre na companhia de Keith Urban, o cantor de música country australiano com quem está casada desde 2006 e tem duas filhas biológicas. A dupla com o brasileiro Rodrigo Santoro também ficou para a história, mas não na vida real. Em 2004, a campanha do perfume Chanel No. 5 foi muito além do simples anúncio. A curta-metragem de 180 segundos foi realizada por Baz Luhrmann (o mesmo de “Moulin Rouge”, que a pôs a cantar, e “Austrália”) e aproximou ainda mais a atriz do mundo da moda.

Mas há outros mundos. Em 1994, Nicole Kidman foi nomeada embaixadora da UNICEF. No cinema, já foi Grace Kelly e cortesã de um cabaret. Em 2003, o papel de Virgina Woolf, no filme “As Horas”, deixou-a irreconhecível (mais do que qualquer injeção de botox, até à data) e valeu-lhe o Óscar de Melhor Atriz. Globos de Ouro são três, na mesma categoria. Em maio deste ano, a atriz recebeu o Prémio do 70º Aniversário, em Cannes, especialmente criado para assinalar a data redonda do festival. Na mesma edição, a revista Vogue sagrou-a como rainha da passadeira vermelha. Christian Dior, Calvin Klein, Versace, Alexander McQueen, Michael Kors e Chanel — todos lhe assentaram que nem uma luva na passadeira glamourosa da Riviera francesa. Parabéns, Nicole Mary.

A atriz no festival de cinema de Cannes este ano, para deleite do batalhão de fotógrafos. © François Durand/Getty Images

Em fotogaleria, veja como o estilo da atriz evoluiu nos últimos 34 anos, dos frenéticos anos 90 ao lugar cativo que conquistou nas passadeiras vermelhas mais importantes dos mundo.