O treinador português Augusto Inácio rescindiu o contrato com o clube egípcio Zamalek, depois de ter ficado retido nas instalações do clube e ser impedido de sair pelos funcionários, informou em declarações à SIC Notícias. A informação foi confirmada ao site MaisFutebol pelo próprio Augusto Inácio. O treinador português contactou a Embaixada Portuguesa no Egito e os responsáveis dirigiram-se para as instalações do clube.

Augusto Inácio terá regressado ao Cairo para uma reunião com o presidente do Zamalek, Mortada Mansour, que acabou por não aparecer, informando-o que a reunião ficaria para o dia seguinte.

Esta quinta-feira, Augusto Inácio dirigiu-se às instalações do clube para a reunião, exigindo uma autorização para faltar ao treino que tinha nessa tarde, para estar na reunião. O treinador revelou que “não queria ser acusado de faltar ao trabalho e dar uma razão ao clube para rescindir unilateralmente”.

Disseram-me que o presidente já estava a chegar e que não ia ser preciso. O tempo passou, o presidente não chegava e eu disse que me ia embora, que não ia faltar ao treino”, disse o treinador em declarações ao Mais Futebol.

Foi quando Augusto Inácio foi impedido de sair das instalações do clube pelos funcionários e ficou retido. Em declarações à SIC, o treinador disse que a “situação já está resolvida” mas que rescindiu o contrato com o clube e não pondera voltar.

Esta quinta-feira o português Augusto Inácio acusou o presidente do Zamalek Sports Club de ser um mentiroso, em plena conferência de imprensa.

Augusto Inácio ataca presidente do Zamalek em conferência de imprensa