Cinema

“A Agente Vermelha”: Jennifer Lawrence, espia ao serviço do Kremlin

Um filme de espionagem para a era de Putin, "A Agente Vermelha" nem assim contorna as situações feitas e convenções do género e servir mal Jennifer Lawrence. Eurico de Barros dá-lhe duas estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Desde que Greta Garbo foi uma Mata Hari muito fantasiosa e “kitsch” no filme de 1931 com o mesmo título, que as mulheres não têm tido muita sorte com as personagens de espias ou agentes secretas no cinema. Nunca houve o equivalente feminino de um James Bond, um Harry Palmer, um George Smiley ou mesmo um Matt Helm. As tentativas mais recentes, por exemplo, têm sido desastrosas: o absurdo “Salt”, de Phillip Noyce, com Angelina Jolie no papel de uma agente da CIA acusada de ser espia dos russos, e o espalhafatoso “Atomic Blonde-Agente Especial”, de David Leitch, em que Charlize Theron interpreta, sem pinga de verosimilhança, uma agente do MI6 enviada em missão para Berlim pouco antes da queda do muro. E há ainda a inofensiva comédia “Spy”, de Paul Feig, onde Melissa McCarthy faz uma analista da CIA que se oferece como voluntária para ir combater um super-vilão.

[Veja o “trailer” de “Agente Vermelha”]

E eis que Jennifer Lawrence entra em jogo em “A Agente Vermelha”, de Francis Lawrence, adaptado do livro de Jason Matthews, um ex-operacional da CIA. Ela interpreta Dominika Egorova, uma primeira bailarina do Bolchoi que parte uma perna em palco e não pode voltar a dançar, o que significa que irá perder todos os privilégios que vêm com o seu estatuto. Nomeadamente, o apartamento onde vive com a mãe doente e a enfermeira que cuida dela. O tio de Dominika (Matthias Schoenaerts) tem uma importante posição nos serviços secretos e, para manter todas as suas regalias, ela é recrutada a contragosto para uma escola dos serviços secretos, onde raparigas e rapazes escolhidos a dedo (os “sparrows” do título original da fita, “Red Sparrow”) são implacavelmente ensinados a usar os seus corpos e mentes para executar missões especiais. E cabe a Dominika seduzir um agente da CIA (Joel Edgerton) que “gere” um informador russo altamente colocado no poder.

[Veja a entrevista com Jennifer Lawrence]

Francis Lawrence (que já dirigiu Jennifer Lawrence na série “Hunger Games”) e o argumentista Justin Haythe parecem ir tentar que “A Agente Vermelha” não repita os lugares-comuns e as convenções barbudas do filme de espionagem do tempo da Guerra Fria, começando logo pela novidade da personagem principal. Embora seja isso que a fita acabe depressa por fazer, num novo contexto político e geoestratégico, tendo em conta que a “ameaça russa” foi ressuscitada nos EUA e no mundo ocidental, e o Kremlin de Vladimir Putin é agora alvo de uma campanha de diabolização contínua junto da opinião pública (Putin, aliás, que nunca aparece na fita, mas é várias vezes referido por algumas das personagens do lado russo da história). Qualquer ilusão que “Agente Vermelha” poderá aspirar a navegar perto, ou mesmo nas águas turvas de um John Le Carré ou de um Len Deighton, desfaz-se rapidamente. Até adivinhamos à distância a identidade do traidor russo.

[Veja a entrevista com o realizador Francis Lawrence]

O que não é nada do tempo dos velhos filmes de acção e espionagem da Guerra Fria, é a violência muito gráfica e a abundância de sexo e nudez (muito à custa da própria Jennifer Lawrence, nesta altura a actriz mais bem paga do mundo) que o enredo contempla. Só que para o caso tanto faz, porque Francis Lawrence é um realizador indiferente e sem estilo, o argumento dá tantas voltas e reviravoltas que às vezes lhe perdemos o norte, a caracterização das personagens é superficial, Edgerton e Lawrence não têm a menor química — é como se estivessem a tentar fazer faísca no meio de uma tempestade de neve em Moscovo –, e a própria actriz não fica bem servida com este papel. Não se pode tirar de uma personagem aquilo que ela não tem. E Dominika tem muito pouco para se espremer.

[Veja a entrevista com Joel Edgerton]

“A Agente Vermelha” tem a participação, na maioria dos papéis secundários, de um vistoso ramalhete de actores, quase todos britânicos – Jeremy Irons num general impassível, Charlotte Rampling na gelada directora da escola dos agentes especiais, Joely Richardson na mãe de Dominika, Ciaran Hinds num ministro todo-poderoso. E todos sem excepção (incluindo a própria Jennifer Lawrence) falam inglês com aquele sotaque russo de anedota que nunca ninguém se lembrou de arquivar, por ridículo e abundantemente gozado nas muitas paródias feitas a este género. Os regimes vão e vêm, as ideologias desabam e extinguem-se, o equilíbrio de forças das superpotências altera-se, mas há coisas que nunca mudam nos filmes de espionagem. Começando pelos sotaques involuntariamente cómicos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)