437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Chamaram-lhe "Sinatra do fado": Carlos do Carmo estreou-se em Nova Iorque

Este artigo tem mais de 4 anos

O fadista de 78 anos atuou este fim-de-semana em Nova Iorque. A NPR (rádio pública norte-americana) descreve-o como "Sinatra do fado". E Carlos do Carmo diz que Sinatra "era fadista".

i

Pedro Nunes/LUSA

Pedro Nunes/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As comparações com Frank Sinatra não são dado novo para Carlos do Carmo. Fã assumido do crooner americano, o fadista português até já fez as vezes do intérprete de “Fly Me to the Moon” e “New York, New York” em 2010, quando cantou no Pavilhão Atlântico (hoje, Altice Arena) as canções que Sinatra celebrizou ao lado da orquestra que o acompanhou nos anos 1950 e sobretudo 1960 (a Count Basie Orchestra). No passado fim-de-semana, Carlos do Carmo estreou-se em palcos nova-iorquinos aos 78 anos e o nome de Frank Sinatra voltou a surgiu, num artigo publicado pela NPR, a rádio pública norte-americana.

O Sinatra foi o melhor fadista que eu já ouvi. Estou a falar a sério. Vocês já o ouviram. A mesma canção transfigura-se de disco para disco. Nunca é igual. Isso é fado”, disse Carlos do Carmo ao meio norte-americano.

As comparações entre os crooners da canção americana como Frank Sinatra e o fadista, que há quatro anos tornou-se o primeiro português a vencer um prémio Grammy Latino de Carreira, são feitas também pelo musicólogo português (autor do premiado livro Para uma História do Fado) Rui Vieira Nery, que afirma à NPR que Carlos do Carmo “absorveu a tradição, mas posteriormente processou-a à sua maneira e teve sempre muita curiosidade acerca das possibilidades de interseção do fado com outros géneros musicais”.

[tweet de Ron Powers, jornalista da NPR]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Ele conseguiu atrair pessoas fãs de pop, rock, de jazz, de música erudita. E convenceu-as a entrar na linguagem do fado e a escrever melodias para fado, da mesma maneira que levou alguns dos melhores poetas contemporâneos a escrever para ele”, diz ainda Rui Vieira Nery.

A rádio norte-americana diz que Carlos do Carmo pegou na abordagem de Sinatra e aplicou-a aos seus próprios discos, explicando que, até ao aparecimento do fadista (na década de 1960), o fado era habitualmente interpretado somente por um cantor e dois guitarristas. Revolucionário, o autor dos discos Um Homem na Cidade e Margens “trouxe a orquestra” e convidou músicos externos ao fado para compor para ele, explica a NPR. “O Carlos foi fundamental para as pessoas perceberem que o fado também pode ser uma canção de intervenção, de protesto”, apontou por sua vez a diretora do Museu do Fado, Sara Pereira, a propósito das conotações que o género musical teve enquanto canção do regime salazarista.

Vivemos numa ditadura durante quase 50 anos. Havia censura e, quando se canta com censura, não é possível expressarmo-nos verdadeiramente. Eu vivi isso, sei do que estou a falar. É terrível, humilha-te. Foi quando eu e o meu bom amigo Ary dos Santos, que foi um poeta popular muito, muito bom, tivemos uma ideia: vamos fazer um álbum sobre Lisboa em liberdade”, lembra Carlos do Carmo. O álbum seria Um Homem na Cidade, editado em 1977, que se tornou um marco na história do fado pós-Estado Novo.

No artigo em questão, a rádio pública norte-americana destaca ainda o facto do fado ser “muitas vezes chamado de ‘os blues’ portugueses” e dá a palavra ao especialista, Carlos do Carmo: “As pessoas pensam que o fado está só ligado a sentimentos tristes. Não é verdade. Há fado menor — fado triste em tom menor –, fado alegre e fado verdadeiramente alegre, cantado em tom maior. O fado corrido é um exemplo de fado verdadeiramente alegre, é algo que se pode dançar e que tem de ser cantado com um sorriso na cara. Para mim, o fado é vida, é amor, é toda a minha vida, é conseguir atingir os meus sonhos, é o amor que tenho pela minha terra, pelo meu país“.

[Celeste Rodrigues e Carlos do Carmo em Nova Iorque]

No festival do fado de Nova Iorque, que começou a 23 de março e terminou no último domingo, 8 de abril, atuaram ainda Ricardo Ribeiro, António Zambujo e Lula Pena. O espetáculo de Carlos do Carmo — que aconteceu no sábado, 7, na conceituada sala nova-iorquina The Town Hall — foi intitulado de “As lendas do fado” e contou com participação de Celeste Rodrigues, irmã de Amália Rodrigues de 95 anos que já cantou com Madonna em Lisboa e que passou a última passagem de ano em Nova Iorque, precisamente com a cantora de “Like a Virgin”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.