Rádio Observador

Séries

Nova série de Marco Martins e Bruno Nogueira passa pelo IndieLisboa antes de chegar à RTP

Chama-se "Sara", tem Beatriz Batarda como protagonista e estreia na RTP em outubro. Os dois primeiros episódios, contudo, podem ser vistos a 3 de maio, no festival IndieLisboa.

Beatriz Batarda é a protagonista da série e interpreta o papel de Sara Moreno, uma atriz de cinema e teatro forçada a aceitar um papel numa telenovela

A aposta da RTP nas séries tem-se intensificado nos últimos meses e “Sara” promete ser uma das grandes estreias de 2018. Depois de, entre outras, “País Irmão” (que se estreou em setembro passado) e “1986” (série de Nuno Markl que começou a ser transmitida há um mês), a estação televisiva começa a transmitir a 7 de outubro um novo projeto de ficção nacional, com autoria de Bruno Nogueira e realização de Marco Martins (realizador de “Alice” e “São Jorge” e encenador de “Actores” e “Todo o Mundo é um Palco”). Os dois primeiros episódios poderão ser vistos, em antecipação, no dia 3 de maio, no Grande Auditório da Culturgest.

Protagonizada por Beatriz Batarda e escrita por Ricardo Adolfo, Bruno Nogueira e Marco Martins, “Sara” conta ainda no elenco com Nuno Lopes, Albano Jerónimo, Miguel Guilherme, Rita Blanco, José Raposo e o próprio Bruno Nogueira. Em comunicado à imprensa, a série é apresentada assim:

‘Sara’ acompanha a transformação de Sara Moreno (Beatriz Batarda), uma atriz de cinema e de teatro, conhecida pela densidade dos seus papéis dramáticos e pela facilidade em chorar nas personagens que interpreta. Com a doença do pai, Sara deixa de conseguir chorar e é forçada a aceitar o papel principal numa telenovela, algo que irá transformar por completo a sua vida.”

[“1986”, de Nuno Markl, foi uma das séries nacionais mais recentes a chegar à RTP:]

“Adorada pelos realizadores, Sara consegue sempre dar uma profundidade trágica a todas as personagens que interpreta. De resto, é sempre para isso que a convidam: para uma personagem trágica. Um dia cansa-se de chorar e abandona as filmagens. Decide falar com o seu agente e encontrar um caminho diferente para a sua vida de atriz. Numa busca pelos tempos que correm, Sara começa a experimentar os mundos das novelas, do facebook, do instagram, das sessões fotográficas com a família em casa para revistas cor de rosa e começa a frequentar com regularidade um motivador pessoal, uma espécie de life coach de emoções, numa busca por algo diferente que a faça sentir-se mais próxima do grande público”, explicam ainda os autores, numa sinopse de antecipação.

D. R.

Esta é a estreia de Marco Martins na escrita e realização (em simultâneo) de uma ficção televisiva. O Festival IndieLisboa exibe os dois primeiros episódios na sua 15ª edição, que abre a 26 de abril com o filme “A árvore”, de André Gil Mata e encerra a 6 de maio com “Raiva”, de Sérgio Tréfaut. “Mariphasa”, de Sandro Aguilar, “O homem pikante”, de Edgar Pêra (um filme sobre o escritor Alberto Pimenta), uma retrospetiva sobre o cineasta francês Jacques Rozier e as curtas-metragens “Russa”, de João Salaziva e Ricardo Alves Jr., “Sleepwalk”, de Filipe Melo e “Self Destructive Boys”, de André Santos e Marco Leão são alguns dos destaques da edição, que conta com 245 filmes programados. Pode consultar todo o programa aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)