Literatura

As 100 histórias que mudaram o mundo, segundo a BBC

148

A BBC levou um inquérito a votação para descobrir as 100 histórias que mudaram o rumo da História. No topo da lista há literatura de língua inglesa, mas há um livro em português, de Machado de Assis.

A "Odisseia", de Homero, é o texto mais importante da História, de acordo com os especialistas consultados pela BBC

Getty Images

Ao longo do mês de abril, a BBC realizou uma votação para descobrir quais as 100 histórias que mudaram ou influenciaram o rumo da História. O inquérito, realizado em todo o mundo, foi respondido por 108 pessoas (autores, académicos, jornalistas, críticos e tradutores), oriundas de 35 países. A escolha final inclui uma grande variedade de géneros, desde o romance ao teatro, passando pela poesia e pelos mitos, com histórias escritas em 33 línguas diferentes.

Nas cinco primeiras posições, aquelas que mais interessava averiguar aos jornalistas da BBC, ficaram: a Odisseia, de Homero, a Cabana do Pai Tomás, de Harriet Beecher Stowe — o primeiro romance lido a larga escala nos Estados Unidos da América –, Frankenstein, de Mary Shelley — aquele que é considerado o primeiro romance de ficção científica –, Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, de George Orwell, e Quando tudo se desmorona, de Chinua Achebe. No top cinco, os homens estão em maioria, assim como as obras escritas originalmente em inglês. Esta realidade é transversal a toda a lista, que inclui apenas um autor de língua portuguesa (e nenhum português) — Machado de Assis –, que ocupa o 60º lugar. O livro é um dos mais conhecidos do escritor brasileiro,  Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Olhando para o top 100, os escritores mais populares são William Shakespeare, Virgina Woolf e Franz Kafka, com três histórias cada um. De Shakespeare foram escolhidos Hamlet, Romeu e Julieta e Rei Lear; de Woolf, Rumo ao FarolMrs. Dalloway e Orlando; e de Kafka, O Processo, A Metamorfose e Antes da Lei. Além dos clássicos mundialmente conhecidos, a lista da BBC inclui algumas obras menos conhecidas, como A Selva, do norte-americano Upton Sinclair, que, de acordo com a estação de televisão, levou à introdução de novas leis federais sobre a segurança alimentar. Toba Tek Singh, um conto do indiano Saadat Hasan Manto sobre a independência do Paquistão, é outro bom exemplo disso.

Odisseia, o texto que mais influenciou o rumo da História

Em primeiro lugar ficou a Odisseia, de Homero (que teve uma nova edição em português muito recentemente). Questionados sobre o porquê de terem escolhido o poema homérico como o mais importante, os especialistas que participaram na votação da BBC frisaram o seu carácter fundacional e a sua influência na literatura ocidental.

Lisa Appignanesi, romancista e crítica, afirmou que a Odisseia segue um modelo básico em termos de história, tratando-se de uma viagem “que também é um regresso”. Kenneth Warren, professor de Inglês na Universidade de Chicago, garantiu que “não há volta a dar” em relação ao facto de o épico Homero ser um texto “fundacional” na narrativa no ocidente. “A Odisseia“, poema composto provavelmente no século VIII a.C., “forneceu a arquitetura para a narrativa da demanda e o modelo de caracterização das virtudes masculinas e femininas numa forma que moldou, permitiu e limitiu os nossos hábitos narrativos até hoje”, afirmou o especialista.

A romancista sul-africana Beverley Naidoo também referiu o modo como a influência do poema homérico continua, ainda hoje, a fazer-se sentir na literatura. “As múltiplas histórias dentro da viagem até casa de dez anos de Odisseu depois da guerra de Tróia, enquanto Penélope espera fielmente por ele e o seu filho Telémaco o procura, infiltraram-se profundamente na nossa consciência cultural”, disse à BBC. “Os elementos humanos dentro desta miríade de histórias continuam a ressoar com o passar dos séculos, permitindo interpretações sem fim.”

Os 20 primeiros colocados na lista da BBC são os seguintes:

  1. Odisseia, de Homero (século VIII a.C.);
  2. A Cabana do Pai Tomás, de Harriet Beecher Stowe (1852);
  3. Frankenstein, de Mary Shelley (1818);
  4. Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, de George Orwell (1949);
  5. Quando tudo se desmorona, de Chinua Achebe (1958);
  6. As Mil e Uma Noites
  7. Dom Quixote, de Miguel de Cervante (1615);
  8. Hamlet, de William Shakespeare (1603);
  9. Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez (1967);
  10. Ilíada, de Homero (século VIII a.C.);
  11. Amada, de Toni Morrison (1987);
  12. A Divina Comédia, de Dante Alighieri (1320);
  13. Romeu e Julieta, de William Shakespeare (1597);
  14. O Épico de Gilgamesh, de autor desconhecido (cerca de 2100 a.C.);
  15. Harry Potter, de J.K. Rowling (1997-2007);
  16. A História de Uma Serva, de Margaret Atwood (1985);
  17. Ulisses, de James Joyce (1922);
  18. A Quinta dos Animais, de George Orwell (1945);
  19. Jane Eyre, de Charlotte Brontë (1847);
  20. Madame Bovary, de Gustave Flaubert (1856).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)