Rádio Observador

Star Wars

Han Solo mata saudades dos fãs e os novos rendem-se

O novo Star Wars já estreou em Portugal, com todos os ingredientes de um verdadeiro filme da saga e nada deixa a desejar aos anteriores. Dizem os fãs e acreditam os que acabam de entrar para o clube.

“Gostei da história das personagens, dos twists, acho que é um filme muito bom. Eu não estou muito habituada à saga e para entrar no universo de Star Wars este filme facilita porque começa de maneira muito simples, sem muitas referências e percebe-se logo bem”, diz Cláudia Nadine, estudante, que provavelmente não era nascida quando estreou o primeiro Star Wars. Mas, na opinião de um dos conhecedores da saga, “O filme é muito giro, gostei bastante. Acho que de uma forma simples, pega em referências que já conhecemos, desde a história de como ele [Han Solo] ganhou a nave; e a Kessel Run, por exemplo, ou seja, partes desta mitologia que eram só pedaços de diálogo e agora vemos a acontecer”. Quem fala é Nuno Markl, humorista e radialista (entre outras atividades) que viu o primeiro Star Wars quando tinha dez anos de idade e ficou fã para a vida. “Acho que o filme é uma prenda para os fãs, é uma montanha russa louca de emoções, muito divertida; e ainda por cima os jovens atores pegam muito bem nas personagens clássicas”.

Quem é quem em Han Solo, Uma História de Star Wars

Escrito por Jonathan Kasdan e Lawrence Kasdan, “Han Solo: Uma História de Star Wars” é realizado por Ron Howard e produzido por Kathleen Kennedy, Allison Shearmur e Simon Emanuel. Lawrence Kasdan, Jason McGatlin, Phil Lord e Christopher Miller são produtores executivos.

Com vários profissionais oscarizados na equipa técnica, este novo filme da saga Star Wars reúne um elenco de peso, com jovens atores que responderam com maestria o desfaio de interpretar personagens clássicas que o público jamais esquecerá.

HAN SOLO (ALDEN EHRENREICH)

O ator dá vida a uma versão jovem (18 aos 24 anos) da personagem interpretada durante anos por Harrison Ford. Han Solo é destemido, irreverente e a personagem principal e um dos mercenários mais queridos da galáxia. Contrabandista, tornou-se no melhor amigo de Chewbacca (Chewie) com quem se juntou à Aliança Rebelde, da qual mais tarde se tornou general. Neste filme, o seu grande amor é Qi’ra.

QI’RA (EMILIA CLARKE)

A atriz que interpretou a famosa Daenerys de “Game of Thrones” é agora Qi’Ra, uma personagem misteriosa que cresce ao lado de Han Solo, com quem vive uma bela amizade e parceria. No entanto, existe um lado romântico que acaba por florescer também. O que muitos não sabem é que é Qi’Ra quem influencia Han Solo e o transforma no homem que todos conhecemos.

CHEWBACCA (JOONAS SUOTAMO)

Chewbacca, ou Chewie, é o companheiro de aventuras de Solo. O filme conta-nos como eles se conheceram e como a sua relação ganhou tanta força.

Chewie é um Wookiee guerreiro, contrabandista e co-piloto de Han Solo na Millennium Falcon. Natural de Kashyyk, foi vetereno nas Guerras Clónicas.

Perseguições, coragem e irreverência do outro mundo

No início do filme, o jovem Han Solo roubava para uma quadrilha cuja chefe – uma lagarta gigante, malvada e impiedosa — não lhe perdoou a irreverência e o condenou à morte “Dêem-no de comer à besta”, ordenou aos guardas, que atiraram Han Solo para um calabouço enlameado onde vivia o enfurecido Chewbacca. Mas, Han, não tinha nada a perder e lutou. Lutou com as forças que só poderia ter um herói como ele diante dos 2 metros e qualquer coisa do monstro que se tornou seu amigo quando Han percebeu o que ele dizia. A linguagem é imperceptível para qualquer terráqueo, mas Han nasceu em Corellia, um planeta muito, muito longínquo. Chewbacca não só poupa a vida a Han como se torna seu amigo e co-piloto, saem juntos daquela masmorra e partem até onde o herói pensava encontrar o amor da sua vida, que ficara retida numa fronteira quando ambos tentavam fugir para serem felizes para sempre.

Amor e guerra mais depressa do que a luz

A partir daí a tal montanha russa de emoções leva-nos numa viagem mais rápida do que a luz, com encontros inesperados entre personagens de várias galáxias e cujas emoções – quase sempre desordenadas — muitas vezes desembocam em amor verdadeiro. Além de Solo e da sua Qi’ra, há um robot L3, presente desde sempre em Star Wars, secretamente apaixonado pelo seu senhor, o vilão Lando Calrissian a quem Han ganha a super nave Millenium Falcon, o meio fundamental para se reencontrar com Qi’ra e salvar a sua própria pele. Vilões é o que não falta neste filme, passado num tempo que não conseguimos identificar e a uma distância que só nos é próxima porque toda a história nos traz muita da verdade que somos enquanto seres humanos. Quem de nós não experimentaria a felicidade de uma criança quando, a mais de 300km por segundo, Chewie, o monstro que ficou amigo (por falta de paciência para lhe chamar Chewbacca, Han arranja-lhe este petit nom) solta um grunhido, e assume a co-pilotagem da Millenium Falcon e, juntos, conseguem um desempenho impossível para os fazer chegar ao destino.

Os fãs prometem voltar

Sofia Novais de Paula, diretora de marketing é clara: “Adorei!” viu outros filmes da saga e acha que este “foi fantástico, os efeitos especiais, os cenários, gostei mais deste do que dos outros, só aquela luta na montanha foi fenomenal, sentia que estava lá!”, diz-nos com entusiasmo e não tem dúvidas face à interrogação “acha que vai ver outra vez?” “Sim, de certeza, adorei”. Miguel Partidário é ator e estudante e elogia os atores, principalmente Alden Ehrenreich, que interpreta o próprio Han e que, na sua opinião, entrou perfeitamente no espírito e “adorei a maneira de como a relação entre o Solo e o Chewbacca começou, é absolutamente fantástica, uma história incrível”, diz com entusiasmo afirmando a seguir que o filme está ao nível do que se espera de um Star Wars.

Uma intimidade maior

O filme Han Solo: Uma história de Star Wars, além de ser um spin off da personagem principal da série, originalmente interpretado por Harrison Ford e – como atestam os espetadores que entrevistámos na antestreia, muito bem continuado por Alden Ehrenreic, não só facilita a compreensão da saga para quem não viu os anteriores, como revela aos fãs algumas histórias por assim dizer íntimas, como a origem da amizade entre Han e Chewbacca; de como Lando Calrissian aparece; e de que maneira Han conseguiu ser o dono da nave Millenium Falcon, a mais rápida do universo que só ele e Chewbacca (ou Chewie para os íntimos) poderiam pilotar através de gargantas mais assustadoras do que buracos negros, a fintar inimigos em caças super potentes a uma velocidade estonteante. Ou seja, o nono filme de Star Wars está aprovado pelos fãs antigos e recentes. Que continuarão a aguardar novas trilogias, mas quase todos irão novamente aos cinemas para se divertirem ainda mais com esta nova História de Star Wars.

Mesmo antes de ver este filme já era fã de Star wars?
Então teste o nível do seu conhecimento sobre a saga Star Wars e descubra se é um verdadeiro fã.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Global Shapers

Quando chegará o último Aquarius?

Hugo Menino Aguiar

É preciso conciliar a liberdade de movimento enquanto direito humano fundamental e a gestão económica, cultural e social das migrações - e permitir que esta segunda vertente seja sobrevalorizada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)