A intenção foi boa, a execução nem por isso. A Proteção Civil enviou uma mensagem para os telemóveis de todas as redes nos distritos de Beja e Faro a alertar para o “risco extremo” de incêndios rurais, deixando por essa razão um número de telefone para onde os cidadãos podiam ligar com dúvidas. No entanto, esse número é da Glassdrive, empresa de substituição de vidros para carros.

Ao Observador, o administrador da Glassdrive diz que os telefones da empresa estiveram “entupidos” ao longo da manhã desta quinta-feira.

“Foi uma manhã de inferno, não tivemos serviço, o nosso serviço simplesmente não entrava”, explicou. “Até tivemos pessoas a ligar, pessoas que pareciam ser de idade, a agradecer por terem recebido o número para ligar porque não sabiam o que fazer. Ligavam a dizer: ‘É da Proteção Civil? É para dizer que está aqui uma fogueira…’. Também nos ligaram jornalistas e bombeiros”, adiantou o administrador da Glassdrive.

Licínio Nunes reconhece que se tratou de um “lapso puro e simples” da Proteção Civil, referindo que “os números de telefone são em quase tudo idênticos à exceção de um 8 e de um 0”. A Glassdrive já entrou em contacto com a Proteção Civil.

O número correto da Proteção Civil, que foi enviado numa mensagem posterior ao erro, é o 800 246 246.

A diferença para o número da Glassdrive é pequena, mas importante: o telefone geral da empresa é o 808 246 246.

Mensagem inicial, com o número da Glassdrive em vez da linha da Proteção Civil

A Proteção Civil enviou um comunicado às redações, onde refere que foi “detetado um lapso no número telefónico constante do SMS” e diz que este foi “imediatamente corrigido”.

“A ANPC lamenta o ocorrido, bem como os eventuais incómodos causados e apresenta desculpas aos cidadãos e à empresa em causa”, lê-se ainda no comunicado.