Cinema

“Vendeta”: a vingança serve-se com muito, muito sangue

170

O filme da francesa Coralie Fargeat sobre a vingança de uma rapariga dos três homens que a violaram e tentaram matar, é sensacionalista, primário e grotesco. Eurico de Barros dá-lhe uma estrela.

Autor
  • Eurico de Barros

Jen (Matilda Lutz) é uma rapariga nova que tem um amante mais velho – e casado e pai de filhos. O amante, Richard (Kevin Janssens)  leva-a para uma luxuosa casa alugada junto ao deserto, onde todos os anos vai à caça com dois amigos, casados e ricos como ele. Má ideia. Um dos amigos viola Jen. E quando ela se queixa ao amante, este oferece-lhe dinheiro para ela se calar. Péssima ideia. Jen ameaça contar tudo à mulher dele, é perseguida pelos três homens, foge para o deserto, fica cercada junto a uma ravina e acaba lá no fundo, espetada no ramo de uma árvore seca e dada por morta. Engano. Jen não morreu, consegue libertar-se da árvore e transforma-se em caçadora daqueles que fizeram dela sua presa. O filme, é claro, chama-se “Vendeta” (“Revenge”, no original), é o primeiro da francesa Coralie Fargeat e foi rodado em Marrocos, que passa pelos EUA.

[Veja o “trailer” de “Vendeta”]

O filme de vingança, ou “revenge movie”, é um subgénero do cinema de acção que também tem sido declinado no feminino (o “rape and revenge movie”), em filmes tão variados na qualidade como nos propósitos. Exemplos: “Mulher Violada”, de Meir Zarchi (1978), o clássico “Vingança de uma Mulher”, de Abel Ferrara (1981), os “Kill Bill”, de Quentin Tarantino (2003/4) ,“Vingança Planeada”, de Chan-wook Park (2005),  “A Estranha em Mim”, de Neil Jordan (2007),  ou ainda a violentíssima série “I Spit on Your Grave”, iniciada em 2010 e que já vai em quatro títulos. A fita de Fargeat é mais uma que se junta a estas, mas como é assinada por uma mulher, foi imediatamente qualificada de “feminista” (“cripto”, “neo” ou “pós”, à escolha do freguês) pela crítica mais afoita no que ao alinhamento politicamente correcto diz respeito. (Até o diligente “Le Monde” foi logo buscar o #balancetonporc).

[Veja a entrevista com a realizadora e a actriz]

Mas trata-se mesmo de só mais uma etiqueta ditada pela moda ideológica. Coralie Fargeat é uma “Tarantino wannabe”, e “Vendeta” é mais um exercício de psitacismo cinematográfico do que uma qualquer releitura ou subversão dos estereótipos do “rape and revenge movie”, à boleia do pretenso “feminismo”. A fita é dominada pelo exagero e pela caricatura, na caracterização das personagens (os três homens são brutais, sádicos e covardes, equiparados a animais repugnantes do deserto), no tratamento visual e sonoro (cores saturadas, música torturada, estilo de “videoclip” exibicionista) e na encenação da violência, gráfica e detalhada, quer se trate da explosão de uma cabeça alvejada a tiro, quer da extracção de um caco de vidro de um pé ou da cauterização de uma ferida a sangue-frio. E há ainda o simbolismo de trazer por casa (o empalamento “fálico” de Jen na árvore).

[Veja uma sequência do filme]

O sangue corre em tal quantidade em “Vendeta”, que numa sequência perto do final, duas das personagens andam a patinar nele enquanto se tentam matar uma à outra, numa desastrada tentativa da realizadora de fazer comédia com o “gore”. Isto já para não falar na sobrenatural capacidade de rcuperação da rapariga, que sobrevive a uma queda e um empalamento sem a seguir se esvair em sangue, e anda e corre (descalça!) pelo deserto com toda a calma e desenvoltura, enquanto, qual Diana da vingança, caça os três homens que a trataram como um objecto sexual e depois a tentaram matar. “Vendeta” só serve mesmo para mostrar que uma mulher pode realizar um “rape and revenge movie” tão sensacionalista tão grotesco e tão primário como um homem. O “girl power” não imuniza contra a mediocridade.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)