Exposições

Projeto cultural junta Portugal e Chile na celebração dos 500 anos da circum-navegação

145

Vinte artistas portugueses e chilenos vão participar numa residência artística no Chile, da qual resultará uma exposição para comemorar os 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães.

Alberto Frias/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Vinte artistas portugueses e chilenos vão participar numa residência artística no Chile, da qual resultará uma exposição, com o objetivo de comemorar os 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães e aproximar as culturas dos dois países.

Apresentado esta segunda-feira, na Casa da América Latina, em Lisboa, pela portuguesa Isabel Carlos e pelo chileno Raúl Miranda, o projeto “Incognitum: Circum-Navegações Contemporâneas”, do qual são curadores, vai decorrer entre 2019 e 2021, para assinalar os 500 anos da circum-navegação iniciada por Fernão de Magalhães, que ocorreu entre os anos de 1519 e 1521.

O projeto contempla o convite a artistas portugueses e chilenos para participar numa residência artística, durante o ano de 2019, na cidade de Punta Arenas, situada no Estreito de Magalhães, que liga os oceanos Atlântico e Pacífico.

O objetivo desta residência é o contacto, investigação e criação de obras relacionadas com a comemoração do “descobrimento” do Estreito de Magalhães e as suas implicações histórico-sociais, explicou Isabel Carlos.

Para tal, este grupo de artistas irá fazer o mesmo trajeto realizado por Fernão de Magalhães, incluindo uma viagem à Antártida, e irá contactar com a comunidade local, artistas e cientistas residentes na região.

As obras concebidas durante a residência, que deverão ser influenciadas pela experiência geográfica e pelo contexto histórico, político e social da comemoração, vão resultar numa exposição que estará patente entre 2020 e 2021 em diferentes espaços, de três cidades distintas dos dois continentes.

A inauguração está marcada para Lisboa, em maio de 2020, em três espaços da EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural) — Cordoaria Nacional, Padrão dos Descobrimentos e Galeria da India — e na Casa da América Latina, “explorando o eixo junto ao Rio Tejo”, disse Isabel Carlos.

A exposição em Lisboa encerra em agosto de 2020, para se mudar para a cidade de Punta Arenas, em outubro de 2020, e depois para Santiago do Chile, no início de 2021.

“Este projeto comporta a aproximação dos dois países. Queremos que as nossas culturas se encontrem e se conheçam melhor através das linguagens artísticas”, acrescentou a curadora.

A exposição e os artistas selecionados articulam-se em torno de três eixos: reflexão pós-colonial, ideia do incógnito e viagem, não só no sentido físico, mas também de viagem interior.

Os curadores destacaram que os artistas selecionados são de Portugal e do Chile, o que não significa necessariamente que tenham nacionalidade portuguesa ou chilena ou que residam no país correspondente, tratando-se mais de “pertencer a uma geografia afetiva, cultural ou vivencial, mais do que a uma nacionalidade”.

Entre os artistas representantes de Portugal contam-se Ana Vaz, Ângela Ferreira, Délio Jasse, Filipa César, Francisco Vidal, Kiluanji Kia Henda, Luciana Fina, Salomé Lamas e Vasco Araújo.

Do Chile, participam Anelys Wolf, Alicia Villarreal, Cláudio Correa, Demian Shopf, Enrique Ramirez, Fernando Prats, Francisco Navarrete, Mónica Bengoa, Narelle Jubelin, Sebastian Jatz e Voluspa Jarpa.

Para Isabel Carlos, a apresentação deste projeto “é o início de uma grande aventura que só terminará em 2021” e que espera contribua para unir Portugal e o Chile.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)