Rádio Observador

Cinema

“Halloween”. O Mal regressou, 40 anos mais tarde, mas Laurie Strode está preparada

278

O filme de David Gordon Green sopra 40 velas no bolo da série "Halloween" e liga-se directamente ao original de John Carpenter, esquecendo todos os outros. Eurico de Barros dá-lhe quatro estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Em 1998, quando “Halloween — O Regresso do Mal”, de John Carpenter, fez 20 anos, apareceu “Halloween H20: O Regresso”, de Steve Miner, em que Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) reencontrava Michael Myers, o assassino em série, enfrentava-o e decapitava-o no final. Este filme, o sétimo da franquia, passa-se numa linha temporal que ignora as partes IV, V e VI, ligando-se directamente a “Halloween II-O Grande Massacre”, de Rick Rosenthal (esqueçamos “Halloween III-Regresso Alucinante”, que não tem nada a ver com o universo da série) e acabou por ter uma continuação, “Halloween-A Ressurreição”, de Rick Rosenthal (2002), de novo com Jamie Lee Curtis, cuja Laurie afinal tinha decapitado a pessoa errada. A esta seguiram-se duas “prequels”, ambas de Rob Zombie e sem Jamie Lee Curtis, prefazendo um total de 10 fitas de “Halloween” entre 1978 e hoje.

[Veja o “trailer” do filme original de John Carpenter de 1978]

Até o mais ferrenho fã da série “Halloween” se sente algo perdido no meio deste labirinto de continuações, “reboots” e reinterpretações, unidos pela omnipresença de Michael Myers, já que o falecido produtor da série, Moustapha Akkad, tinha uma cláusula nos contratos que fazia com argumentistas e produtores, que não autorizava que ele morresse. Passados 40 anos sobre a estreia do clássico de John Carpenter que veio redefinir e vitaminar o filme de terror, “Halloween”, de David Gordon Green, em que Carpenter e JamieLee Curtis são produtores executivos, ele é também o autor da banda sonora e ela volta a personificar Laurie, pede-nos para esquecermos todos os filmes que houve entre este e o original, apresentando-se como a sua continuação directa e legítima. (Reparem no genérico em arrepio minimalista, com a abóbora iluminada a crescer. Não vai ser o Halloween do Charlie Brown e do Snoopy).

[Veja o “trailer” de “Halloween”]

Ou seja, confronto decisivo entre Laurie Strode, a sobrevivente do massacre das “babysitters” de 1978, e Michael Myers, o assassino silencioso que comunga do real e do sobrenatural, do humano e do monstruoso, há só um, o deste “Halloween” que sopra 40 velas no bolo da série, e mais nenhum. Num canto está Laurie Strode a quem os acontecimentos de “Halloween: O Regresso do Mal” deixaram viva mas traumatizada, que não mais conseguiu ter uma vida normal (divorciou-se duas vezes, a filha chegou a ser-lhe tirada pela Assistência Social e tem relações tensas com a família) e espera há quatro décadas pelo duelo final com Michael Myers, instalada numa moradia-fortaleza isolada e a abarrotar de câmaras de vigilância, holofotes e armas. A família diz que ela se transformou numa Cassandra securitária. Mas Laurie sabe do que é a casa do Mal gasta.

No outro canto está Michael Myers, encerrado há 40 anos hum hospício de alta segurança, sempre mudo que nem uma pedra, acompanhado por um psiquiatra que é o discípulo e sucessor do Dr. Loomis de Donald Pleasence, alvo da curiosidade de dois jornalistas ingleses que têm um “podcast” especializado em crimes e criminosos, e que vai ser transferido para outra instituição, nem por coincidência na noite de Halloween. No tempo que demora a dizer “Vem aí o Papão!”, Myers evade-se, recupera a sua sinistra máscara branca e ruma a Haddonfield, ao mesmo tempo que regressa aos velhos hábitos de massacrar quem lhe sai pela frente, aparecer de repente por trás das pessoas, manifestar-se nos bancos de trás dos automóveis e sair de dentro de guarda-roupas. Tudo sem soltar uma sílaba. (Nick Castle, o Michael Myers “histórico”, regressa também à personagem, e P.J. Soles, que faz a amiga de Laurie no filme de 1978, tem uma breve participação).

[Veja a entrevista com David Gordon Green]

David Gordon Green, cineasta de boa reputação “indie” também assina o argumento de “Halloween”, com Danny McBride e Jeff Fradley. E, com inteligência, discrição e cinefilia, vai beber, narrativa e estilisticamente, a “Halloween-O Regresso do Mal”, seguir também a lição de John Carpenter na definição das atmosferas, feitas mais de desconforto e tensão do que de sustos e sobressaltos em enfiada, sem se meter em “pastiches” ou “desconstruções” e usando ainda os “travellings” deslizantes do mestre, na companhia da sua música ominosa (e agora mais “dura”). A violência deste “Halloween” é, no entanto, um pouco mais gráfica do que a do original de 1978 (há um duplo assassínio de choque na casa de banho imunda de uma estação de serviço) e falta a Green o sentido de unidade de lugar que ajudava à força visual e dramática de “Halloween — O Regresso do Mal”.

[Ouça a nova versão do tema de “Halloween” por John Carpenter]

O possante e tenebroso clímax de “Halloween”, quando Laurie e Michael ficam finalmente frente-a-frente, ainda obcecados um com o outro depois de passados tantos anos, acaba por envolver três gerações de mulheres da família Strode no combate ao Mal incarnado (além daquela, a filha Karen, interpretada por Judy Greer, e a neta Allyson, por Andi Matichak), meter ao barulho não só armas de fogo como também as boas velhas facas de cozinha, e ter uma resolução ígnea que limpa recordações perturbadoras e sossega terrores antigos. À falta de ter John Carpenter atrás das câmaras outra vez, este “Halloween” de David Gordon Green é a melhor conclusão possível para o pesadelo que começou há 40 anos, na noite em que os espíritos malignos andam à solta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
290

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)