Rádio Observador

Cultura

Ampliação do Museu do Chiado “deve avançar com urgência”

O projeto de ampliação do Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, em Lisboa, deve "avançar com urgência", defendeu a diretora da instituição, Emília Ferreira.

Autor
  • Agência Lusa

O projeto de ampliação do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, deve “avançar com urgência”, defendeu hoje a diretora da instituição, Emília Ferreira, que continua a lutar com constrangimentos de espaço para as exposições e reservas.

Em entrevista à agência Lusa, a propósito do ponto da situação do projeto de ampliação, que tem vindo a ser concretizado faseadamente desde 2015, a nova diretora disse que o espaço disponível no Convento de São Francisco “é o dobro do atual, mas não tem condições” para ser usado.

“Estamos em fase de levantamento dos espaços, em diálogo com a tutela [Ministério da Cultura] para calendarizar os procedimentos e a procurar mecenas que apoiem”, indicou, acrescentando que o Comando Metropolitano PSP que ali detinha instalações, ainda não saiu completamente do edifício.

Situado no centro histórico de Lisboa, o Museu do Chiado foi fundado em 1911, como Museu Nacional de Arte Contemporânea, e o seu acervo integra mais de 5.000 peças de arte, num percurso cronológico desde 1850 até à atualidade, incluindo pintura, escultura, desenho, fotografia e vídeo.

Em julho de 2015, depois de duas décadas de negociações que passaram por vários Governos, o Museu do Chiado foi ampliado para a Rua Capelo, de onde saíram as antigas instalações do Governo Civil de Lisboa, e passou a ter duas entradas, com a da Rua Serpa Pinto.

A diretora, que assumiu funções faz em dezembro um ano, disse à Lusa que o museu “continua muito constrangido”, porque não consegue crescer para fazer mais exposições temporárias e de longa duração, criar espaço para reservas, e um Serviço Educativo, que ainda não tem.

“A coleção precisa de crescer, está estrangulada. Temos muitas propostas de doação e de depósito e não podemos aceitá-las”, disse Emília Ferreira à Lusa.

Questionada se, pelo contrário, houve colecionadores que tenham pedido para retirar peças, tal como aconteceu em fevereiro deste ano, quando Isabel Vaz Lopes retirou um importante conjunto de fotografia portuguesa contemporânea em depósito no museu, fazendo críticas à entidade, Emília Ferreira disse que não voltou a suceder, “antes pelo contrário, há vários que querem entregar”.

As obras retiradas pela colecionadora Isabel Vaz Lopes viriam, mais tarde, a ser vendidas em leilão, e o Ministério da Cultura acabou por comprar algumas fotografias, por proposta do museu, através da Direção-Geral do Património Cultural.

“Do lado da Rua Capelo, as salas são pequenas e as portas também. São espaços que não foram criados para servir como museu e não cabem as obras grandes que também queríamos mostrar”, apontou Emília Ferreira, sobre as novas instalações, recebidas em 2016.

Recordando que o Museu do Chiado “é o único Museu Nacional de Arte Contemporânea do país, com mais de cem anos de história, e uma coleção única, numa zona histórica, no coração de Lisboa”, Emília Ferreira indicou que estão a fazer diligências para melhorar a sinalética e torná-lo mais visível para o público.

Questionada sobre as negociações com o Grupo Sonae, principal mecenas do Museu do Chiado, sobre o protocolo que termina este ano, indicou que estão ainda em conversações.

Sobre a programação para o próximo ano, disse à Lusa que já está fechada, mas escusou-se a revelá-la, por enquanto, porque falta uma aprovação formal da tutela.

No entanto, avançou que pretende mostrar artistas menos conhecidos do grande público, nomeadamente algumas mulheres artistas, como a pintora Sarah Afonso (1899—1983) e a pintora, ilustradora, cenógrafa e figurinista Maria Adelaide de Lima Cruz (1908-1985).

“São artistas que merecem, não só pela relevância do trabalho, mas também pelo desconhecimento que o público tem delas”, justificou, acrescentando que, “em muitos casos, as mulheres artistas foram apagadas historicamente, culturalmente e socialmente”.

O objetivo é, segundo a responsável, “realizar mais investigação sobre os artistas e a sua obra, que beneficiem o conhecimento sobre a coleção, ampliar o conhecimento sobre os artistas e o papel que tiveram no seu tempo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)