Tecnologia

Mulheres portuguesas a trabalhar em tecnologia distinguidas no Porto

458

Os "Portuguese Women in Tech Awards" elegeram pela primeira vez nove mulheres que se distinguiram pelo trabalho que estão a fazer no ecossistema de startups português.

A comunidade de mulheres "Portuguese Women in Tech" foi lançada há dois anos

Getty Images

A comunidade de mulheres “Portuguese Women in Tech” distinguiu pela primeira vez, no sábado, nove mulheres que trabalham em tecnologia e que têm contribuído para a dinamização do ecossistema de startups português.

Segundo Liliana Castro, fundadora da comunidade de mulheres portuguesas, os Portuguese Women in Tech Awards superaram as expectativas: “Desde o primeiro dia sentimos um envolvimento enorme da comunidade, superamos as 800 nomeações e os 6500 votos. Queremos agora aproveitar esta energia positiva que se criou para dar continuidade ao trabalho e lançar novas iniciativas”.

Vencedoras por categoria:

  • Fundadora ou cofundadora: Romana Ibrahim (Keep Warranty)
  • Marketing & Sales Expert: Catarina Cardoso (Jscrambler)
  • Programadora: Sandra Costa (Bosch Car Multimedia S.A)
  • Data & Analytics Expert: Isabel Portugal (Hostelworld)
  • Lead Designer: Mariana Gomes (dashdash)
  • Recursos Humano: Liliana Cardoso (Zalando)
  • Gestora de produto: Sílvia Coimbra (Farfetch)
  • Community Leader: Patrícia Candeias (ENTER StartupAltice)
  • Melhor startup portuguesa fundada por uma mulher: Talkdesk

Os “Portuguese Women in Tech Awards” decorreram na Alfândega do Porto e contaram com a presença de Nathalie Risacher (diretora-geral da Natixis em Portugal), Ana Teresa Lehmann (ex-secretária de Estado da Indústria), Lisa Lang (presidente da The PowerHouseGroup e na lista de Top 50 Women in tech in Europe) e Jacqueline Holmes (Investidora americana a viver em Portugal).

De 3 a 24 de Setembro, a comunidade empreendedora nomeou várias mulheres para cada categoria e um júri da comunidade validou as nomeações. Desta primeira votação, saíram as 5 mulheres com mais nomeações em cada uma das categorias. As votações para eleger a vencedora em cada uam dela ficaram abertas até 18 de Outubro. A 20 de outubro foram anunciadas as 3 finalistas e a 27 de Outubro teve lugar o evento de entrega de prémio.

O evento contou com o apoio da Câmara Municipal do Porto, através da convocatória aberta do ScaleUp Porto, da Natixis, XING, Hostelworld, UTRUST, Prozis e Blip.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)