PSD

“Governo tem de meter mão na consciência”, diz Rui Rio em mensagem de Natal sobre um ano em que “Estado falhou”

233

Na sua mensagem de Natal, líder do PSD destacou momentos em que o Estado "não garantiu a segurança das pessoas" este ano e atacou falhas "na área social" de um Governo que se diz "de esquerda".

Rui Rio na sua mensagem de Natal, divulgada pelo PSD

O balanço que Rui Rio faz do ano de 2018 é negro: “Não me recordo da segurança ter falhado tanto aos portugueses como em 2018, e como já tinha falhado em 2017.” Esta é a principal ideia da mensagem de Natal do líder do PSD que, no vídeo, sublinha que “o Estado não foi capaz de garantir, como deve garantir, a segurança das pessoas” neste ano que passou.

Rio aproveitou a mensagem da quadra para enumerar os vários incidentes em que, crê, o Governo falhou em toda a linha: nos incêndios, onde “não teve a eficácia necessária no combate”; na recente queda do helicóptero do INEM, onde o “socorro chegou tarde e a más horas”; na queda da estrada em Borba, “que todos sabiam que estava em insegurança”; nos vendavais que afetaram a região centro, cuja “assistência às pessoas e às empresas foi altamente deficitária”. E, embora seja um tema que tenha tido início em 2017 mas que transitou para este ano com a investigação judicial, o roubo de armas em Tancos mereceu de Rio o epíteto de “expoente máximo ao nível das falhas de segurança”.

“Este Governo tem de meter a mão na consciência, de forma a que os portugueses se possam sentir em segurança como sempre se sentiram”, pediu o líder do PSD.

Saúde, “rendas elevadíssimas” e salário mínimo: as falhas da esquerda

Mas as críticas do líder do principal partido da oposição não se ficaram por aqui. Sublinhando repetidamente estarmos perante um Governo que se “apresenta como sendo de esquerda”, devido ao apoio parlamentar do PCP e do Bloco de Esquerda, Rio reafirmou que o Executivo liderado por António Costa falha “de forma estrondosa” na área social.

Como exemplos, coloca em primeiro lugar a situação do Sistema Nacional de Saúde, onde há “pessoas cada vez mais tempo à espera de um cirurgia ou de uma consulta, num Governo ligado a uma esquerda que tem a mania de dizer que tem o monopólio das preocupações sociais”. Também a Educação foi uma área abordada, mas ao nível do Ensino Superior: para Rio, não é aceitável que haja alunos a interromperem os seus estudos por os pais não terem “dinheiro para pagar as rendas elevadíssimas que hoje se pedem”.

O valor do salário mínimo foi outro ponto destacado pelo líder do PSD, já que, segundo diz, “para o Governo deixou de ser nacional”, ao aplicar valores diferentes no setor público e no privado. “Não pode ser — ao nível do salário mínimo têm de ser todos iguais”, sentenciou.

Depois de todas as acusações, contudo, Rui Rio mostrou-se disponível para colaborar com o Governo do PS nas matérias que puderem ajudar o país. “Estou disponível para dar os contributos todos que um partido da oposição consciente de dar, para que Portugal possa ter uma vida melhor”, rematou, antes de desejar boas festas a todos os portugueses.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
262

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.498

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)