Rádio Observador

Óscares

Óscares. Uma lista de nomeados histórica em seis factos

Uns chamam-lhe trivia, outros dizem que são fun facts. Em português, podemos dizer que são números. E a lista de nomeados para os Óscares de 2019 tem uns quantos para guardar na memória.

Lady Gaga, em "Assim Nasce uma Estrela", é uma das que consegue duas nomeações e uma marca histórica

A Netflix chega aos nomeados para Melhor Filme

Na semana passada, a plataforma de streaming anunciou que vai aumentar os preços das subscrições nos EUA e em alguns países da América do Sul (até ao momento, não há indicação que este aumento também aconteça em Portugal). A justificação é simples: os custos das produções próprias exigem mais receitas e estas vêm sobretudo dos assinantes. A notícia não foi bem recebida pelos utilizadores — naturalmente — mas a nomeação de Roma para “Melhor Filme” (na verdade, é o filme mais nomeado, a par com “A Favorita” tem 10 nomeações) é o melhor apoio que a Netflix podia ter para defender a subida na fatura. Ao mesmo temo, é um momento marcante. A produção feita fora do estúdios de cinema e, mais do que isso, realizada a partir de plataformas que trabalham primeiro que tudo para televisão, não tem sido bem vista em Hollywood. A inevitabilidade da mudança já se encarregou de alterar as regras, eventuais prémios podem fazer o resto.

[o trailer de “Roma”:]

Spike Lee é finalmente nomeado

“Os Bons Amantes” (“She’s Gotta Have It”, no original) é o primeiro filme de Spike Lee. Estreou-se em 1986. Desde então, o realizador americano já fez 30 filmes. E é precisamente ao trigésimo que consegue a sua primeira nomeação para melhor filme. A proeza deve-se a “BlacKkKlansman: O Infiltrado”, sobre a história de Ron Stallworth, um polícia afro-americano que consegue infiltrar-se no Ku Klux Klan. O filme deu-lhe também as nomeações para Melhor Argumento Adaptado e Melhor Realizador. Spike Lee ganhou em 2016 um Óscar honorário, em 1998 foi nomeado por “4 Little Girls” (Melhor Documentário) e em 1989 por “Não Dês Bronca” (Melhor Argumento).

[o trailer de “Blackkklansman”:]

Lista de nomeados mais inclusiva de sempre

O título foi atribuído pela GLAAD (“Gay & Lesbian Alliance Against Defamation”), organização não-governamental que monitoriza o tratamento dos media em relação a temas LGBTQ. Dos oitos nomeados para Melhor Filme, quatro promovem a inclusão: “Assim Nasce uma Estrela”, “Green Book”, “A Favorita” e “Bohemian Rhapsody”. Nas palavras da presidente e CEO da GLAAD, Sarah Kate Ellis, citada pela Variety, “a Lista dos nomeados para os Óscares reflete um ano de referência para a inclusão LGBTQ e é um sinal de que a Academia e os seus membros estão a dar prioridade a histórias de diversidade numa altura em que as audiências e a crítica estão a pedir mais”. “A diversidade da lista de nomeados deve ser celebrada e vai, sem dúvida, levar a mais inclusão, a filmes que possam fazer a diferença”, acrescentou.

“Black Panther” é o primeiro filme de super heróis nomeado para Melhor Filme

Está tudo no título aqui em cima, mas repetir não traz mal ao mundo: “Black Panther” é o primeiro filme de super heróis nomeado para Melhor Filme. Claro, podemos fazer agora o jogo em forma de pergunta: “Mas alguma vez um filme de super heróis mereceu ser nomeado?”. Até porque é uma ótima pergunta, com uma resposta relativamente óbvia (mesmo que uns quantos defendam “The Dark Knight”, de 2008, sobretudo graças à prestação gloriosa de Heath Ledger como Joker). Mas factos são factos.

[o trailer de “Black Panther”:]

Lady Gaga: Melhor Atriz e Melhor Canção

A protagonista de “Assim Nasce uma Estrela” está nomeada numa categoria de representação e outra associada à banda sonora. O que é que isto tem de especial? É a segunda vez que acontece. A primeira foi Mary J. Blige, no filme “Mudbound — As Lamas do Mississipi”, nomeada para Melhor Atriz Secundária e para Melhor Canção por “Shallow”, do mesmo filme. E isto aconteceu o ano passado, o que torna esta trivia ainda mais interessante.

[o trailer de “Assim Nasce uma Estrela”:]

“A Favorita” tem três atrizes nomeadas

O facto já é interessante por si só, mas como tem valor histórico, melhor ainda. Tudo porque é a terceira vez na história dos Óscares que um filme vê nomeadas três atrizes. A primeira aconteceu com “Dúvida”, de 2008, o filme de John Patrick Shanley que levou a Academia a nomear Amy Adams, Viola Davis e Meryl Streep. A segunda ocasião surgiu com “As Serviçais”, o filme de 2011 (realizado por Tate Taylor) que valeu nomeações a Jessica Chastain, Viola Davis e Octavia Spencer.

[o trailer de “A Favorita”:]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereira@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)