Óscares

Óscares. Uma lista de nomeados histórica em seis factos

Uns chamam-lhe trivia, outros dizem que são fun facts. Em português, podemos dizer que são números. E a lista de nomeados para os Óscares de 2019 tem uns quantos para guardar na memória.

Lady Gaga, em "Assim Nasce uma Estrela", é uma das que consegue duas nomeações e uma marca histórica

A Netflix chega aos nomeados para Melhor Filme

Na semana passada, a plataforma de streaming anunciou que vai aumentar os preços das subscrições nos EUA e em alguns países da América do Sul (até ao momento, não há indicação que este aumento também aconteça em Portugal). A justificação é simples: os custos das produções próprias exigem mais receitas e estas vêm sobretudo dos assinantes. A notícia não foi bem recebida pelos utilizadores — naturalmente — mas a nomeação de Roma para “Melhor Filme” (na verdade, é o filme mais nomeado, a par com “A Favorita” tem 10 nomeações) é o melhor apoio que a Netflix podia ter para defender a subida na fatura. Ao mesmo temo, é um momento marcante. A produção feita fora do estúdios de cinema e, mais do que isso, realizada a partir de plataformas que trabalham primeiro que tudo para televisão, não tem sido bem vista em Hollywood. A inevitabilidade da mudança já se encarregou de alterar as regras, eventuais prémios podem fazer o resto.

[o trailer de “Roma”:]

Spike Lee é finalmente nomeado

“Os Bons Amantes” (“She’s Gotta Have It”, no original) é o primeiro filme de Spike Lee. Estreou-se em 1986. Desde então, o realizador americano já fez 30 filmes. E é precisamente ao trigésimo que consegue a sua primeira nomeação para melhor filme. A proeza deve-se a “BlacKkKlansman: O Infiltrado”, sobre a história de Ron Stallworth, um polícia afro-americano que consegue infiltrar-se no Ku Klux Klan. O filme deu-lhe também as nomeações para Melhor Argumento Adaptado e Melhor Realizador. Spike Lee ganhou em 2016 um Óscar honorário, em 1998 foi nomeado por “4 Little Girls” (Melhor Documentário) e em 1989 por “Não Dês Bronca” (Melhor Argumento).

[o trailer de “Blackkklansman”:]

Lista de nomeados mais inclusiva de sempre

O título foi atribuído pela GLAAD (“Gay & Lesbian Alliance Against Defamation”), organização não-governamental que monitoriza o tratamento dos media em relação a temas LGBTQ. Dos oitos nomeados para Melhor Filme, quatro promovem a inclusão: “Assim Nasce uma Estrela”, “Green Book”, “A Favorita” e “Bohemian Rhapsody”. Nas palavras da presidente e CEO da GLAAD, Sarah Kate Ellis, citada pela Variety, “a Lista dos nomeados para os Óscares reflete um ano de referência para a inclusão LGBTQ e é um sinal de que a Academia e os seus membros estão a dar prioridade a histórias de diversidade numa altura em que as audiências e a crítica estão a pedir mais”. “A diversidade da lista de nomeados deve ser celebrada e vai, sem dúvida, levar a mais inclusão, a filmes que possam fazer a diferença”, acrescentou.

“Black Panther” é o primeiro filme de super heróis nomeado para Melhor Filme

Está tudo no título aqui em cima, mas repetir não traz mal ao mundo: “Black Panther” é o primeiro filme de super heróis nomeado para Melhor Filme. Claro, podemos fazer agora o jogo em forma de pergunta: “Mas alguma vez um filme de super heróis mereceu ser nomeado?”. Até porque é uma ótima pergunta, com uma resposta relativamente óbvia (mesmo que uns quantos defendam “The Dark Knight”, de 2008, sobretudo graças à prestação gloriosa de Heath Ledger como Joker). Mas factos são factos.

[o trailer de “Black Panther”:]

Lady Gaga: Melhor Atriz e Melhor Canção

A protagonista de “Assim Nasce uma Estrela” está nomeada numa categoria de representação e outra associada à banda sonora. O que é que isto tem de especial? É a segunda vez que acontece. A primeira foi Mary J. Blige, no filme “Mudbound — As Lamas do Mississipi”, nomeada para Melhor Atriz Secundária e para Melhor Canção por “Shallow”, do mesmo filme. E isto aconteceu o ano passado, o que torna esta trivia ainda mais interessante.

[o trailer de “Assim Nasce uma Estrela”:]

“A Favorita” tem três atrizes nomeadas

O facto já é interessante por si só, mas como tem valor histórico, melhor ainda. Tudo porque é a terceira vez na história dos Óscares que um filme vê nomeadas três atrizes. A primeira aconteceu com “Dúvida”, de 2008, o filme de John Patrick Shanley que levou a Academia a nomear Amy Adams, Viola Davis e Meryl Streep. A segunda ocasião surgiu com “As Serviçais”, o filme de 2011 (realizado por Tate Taylor) que valeu nomeações a Jessica Chastain, Viola Davis e Octavia Spencer.

[o trailer de “A Favorita”:]

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereira@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)