Óscares

“Roma” e “A Favorita” lideram nomeações para os Óscares

522

Foram revelados os candidatos aos Óscares, entregues a 24 de fevereiro. Os filmes de Alfonso Cuarón e Yorgos Lanthimos estão na frente. A Netflix conseguiu a primeira nomeação para "Melhor Filme".

“Roma”, do mexicano Alfonso Cuarón, e “A Favorita”, do grego Yorgos Lanthimos, lideram a corrida aos Óscares com dez nomeações cada. Esta é a primeira vez que um filme produzido pela Netflix (“Roma”) é nomeado para os prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas norte-americana, um sinal da aceitação da plataforma de streaming em Hollywood, como apontou o The Guardian.

O filme de Cuarón foi inspirado nas memórias de infância do realizador, passada na Cidade do México, nos anos 70, na cidade do México. No discurso de aceitação do Globo de Ouro de “Melhor Filme Estrangeiro” — uma façanha que o realizador pode voltar a repetir nos Óscares, uma vez que se encontra nomeado para as duas categorias de melhor filme –, o mexicano salientou o facto de o elenco ser composto por “novas caras”, “desconhecidas”. “Começamos agora a perceber o quanto temos em comum”, afirmou durante a cerimónia que se realizou no início de janeiro.

“A Favorita” é uma comédia sobre intrigas políticas na corte da Rainha Ana, na Inglaterra do século XVIII. O filme, galardoado com um único Globo de Ouro, está nomeado para 12 BAFTAs, os prémios da Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão que serão entregues a 10 de fevereiro. Além de ser um dos candidatos a “Melhor Filme” nos Óscares, tem duas atrizes nomeadas para “Melhor Atriz Secundária” — Emma Stone e Rachel Weisz.

A seguir na lista de nomeações, divulgada esta terça-feira num evento de duas partes conduzido pelos atores Kumail Nanjiani e Tracee Ellis Ross, segue a longa-metragem protagonizada por Lady Gaga e Bradley Cooper, “A Star is Born”, com oito nomeações, incluindo “Melhor Atriz” e “Melhor Ator”. O filme, uma adaptação do clássico de 1937 que marcou a estreia de Cooper atrás das câmaras e de Gaga à frente delas, era um dos favoritos aos Globos de Ouro, mas acabou por vencer apenas numa categoria, a de “Melhor Canção”, com “Shallow”.

A grande surpresa da lista de candidatos é “Black Panther”. O filme, um sucesso com lucros de bilheteira superiores a 1,3 mil milhões de dólares do mundo inteiro, é o primeiro de super-heróis a integrar a categoria de “Melhor Filme” dos Óscares. A produção fez também história por ser a primeira do género com um elenco maioritariamente afro-americano.

A verdade é que se os Óscares seguirem a tendência deste ano, os vencedores serão, no mínimo, imprevisíveis. Nos Globos de Ouro, que muitos acreditam ajudar a prever os premiados pela Academia, os premiados foram todos menos os mais previsíveis. O galardão de “Melhor Filme” foi atribuído a “Bohemian Raphosdy”, o filme sobre os Queen de que poucos críticos gostaram, e Glenn Close foi considerada a “Melhor Atriz” pelo seu papel em “The Wife” quando todos acharam que o galardão ia parar às mãos de Lady Gaga. Apenas a categoria de “Melhor Ator” parece ter correspondido às expectativas: Christian Bale levou para casa o Globo de Ouro pela sua interpretação (e transformação) em “Vice”.

A lista completa dos nomeados para os Óscares é a seguinte:

Melhor Filme

  • “Black Panther”;
  • “BlackkKlansman”;
  • “Bohemian Raphsody”;
  • “A Favorita”;
  • “Green Book”;
  • “Roma”;
  • “Assim Nasce uma Estrela”;
  • “Vice”.

Melhor Atriz

  • Yalitza Aparicio, em “Roma”;
  • Glenn Close, em “The Wife”;
  • Olivia Colman, “A Favorita”;
  • Lady Gaga, em “Assim Nasce uma Estrela”;
  • Melissa McCarthy, em “Can You Ever Forgive Me?”.

Melhor Ator

  • Christian Bale, em “Vice”;
  • Bradley Cooper, em “Assim Nasce uma Estrela”;
  • Willem Dafoe, em “At Eternity’s Gate”;
  • Rami Malek, em “Bohemian Rhapsody”;
  • Vigo Mortensen, em “Green Book”.

Melhor Atriz Secundária

  • Amy Adams, em “Vice”;
  • Marina de Tavira, em “Rome”;
  • Regina King, em “Se Esta Rua Falasse”;
  • Emma Stone, em “A Favorita”;
  • Rachel Weisz, em “A Favorita”.

Melhor Ator Secundário

  • Mahershala Ali, em “Green Book”;
  • Adam Driver, em “BlackkKlansman”;
  • Sam Elliott, em “Assim Nasce uma Estrela”;
  • Richard E. Grant, em “Can You Ever Forgive Me?”;
  • Sam Rockwell, em “Vice”.

Melhor Realizador

  • Spike Lee, por “BlackkKlansman”;
  • Pawel Pawlikowski, por “Cold War”;
  • Yorgos Lanthimos, por “A Favorita”;
  • Alfonso Cuarón, por “Roma”;
  • Adam McKay, por “Vice”.

Melhor Filme de Animação

  • “Os Incríveis 2”;
  • “Ilha dos Cães”;
  • “Mirai”;
  • “Ralph Vs Internet”;
  • “Homem-Aranha: No Universo Aranha”.

Melhor Curta de Animação

  • “Animal Behaviour”;
  • “Bao”;
  • “Late Afternoon”;
  • “One Small Step”;
  • “Weekends”.

Melhor Curta-Metragem

  • “Detainment”;
  • “Fauve”;
  • “Marguerite”;
  • “Mother”;
  • “Skin”.

Melhor Documentário

  • “Free Solo”, de Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin, Evans Hayes e Shannon Dill;
  • “Hale County This Mourning, This Evening”, de Ramell Ross, Joselyn Barnes e Su Kim;
  • “Min the Gap”, de Bing Liu e Diane Quon;
  • “Of Fathers and Sons”, de Talal Derki, Ansgar Frerich, Eva Kemme e Tobias N. Siebert;
  • “RBG”, de Betsy West e Julie Cohen.

Melhor Curta Documental

  • “Black Sheep”, d Ed Perkins e Jonathan Chinn;
  • “End Game”, de Rob Epstein e Jeffrey Friedman;
  • “Lifeboat”, de Skye Fitzgerald e Bryn Mooser;
  • “A Night at the Garden”, de Marshall Curry;
  • “Period. End of Sentence.”, de Rayka Zethabchi e Melissa Berton.

Melhor Montagem

  • “BlackkKlansman”;
  • “Bohemian Raphsody”;
  • “A Favorita”;
  • “Green Book”;
  • “Vice”.

Melhor Filme Estrangeiro

  • “Cafarnaum” (Líbano);
  • “Cold War” (Polónia);
  • “Never Look Away” (Alemanha);
  • “Roma” (México);
  • “Uma Família de Pequenos Ladrões” (Japão).

Melhor Argumento Original

  • “A Favorita”;
  • “First Reformed”;
  • “Green Book”;
  • “Roma”;
  • “Vice”.

Melhor Argumento Adaptado

  • “The Ballad of Buster Scruggs”, Joel Coen e Ethan Coen;
  • “BlackkKlansman”, Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee;
  • “Can You Ever Forgive Me?”, Nicole Holofcener e Jeff Whitty;
  • “Se Esta Rua Falasse”, Barry Jenkins;
  • “Assim Nasce uma Estrela”, Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters.

Melhor Fotografia

  • “Cold War”;
  • “A Favorita”;
  • “Never Look Away”;
  • “Roma”;
  • “Assim Nasce uma Estrela”.

Melhor Guarda-Roupa

  • “The Ballad of Buster Scruggs”, Mary Zophres;
  • “Black Panther”, Ruth Carter;
  • “A Favorita”, Sandy Powell;
  • “Mary Poppins Returns”, Sandy Powell;
  • “Mary Queen of Scots”, Alexandra Byrne.

Melhor Caracterização

  • “Border”, Goran Lundstrorm e Pamela Goldammer;
  • “Mary Queen of Scots”, Jenny Shircore, Marc Pilcher e Jessica Brooks;
  • “Vice”, Greg Cannom, Kate Biscoe e Patricia Dehaney.

Melhor Banda Sonora

  • “Black Panther”, de Ludwing Goransson;
  • “BlackkKlansman”, de Terence Blanchard;
  • “Se Esta Rua Falasse”, de Nicholas Britell;
  • “Ilha dos Cães”, de Alexandre Desplat;
  • “Mary Poppins Returns”, de Marc Shaiman.

Melhor Canção Original

  • “All The Stars” (Mark Spears, Kendrik Lamar, Anthony Tiffith e Solana Rowe) de “Black Panther”;
  • “I’ll Fight” (Diane Warren), de “RBG”;
  • “The Place Where Lost Things Go” (Marck Shaiman e Scott Wittman), de “Mary Poppins Returns”;
  • “Shallow” (Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt), de “Assim Nasce uma Estrela”;
  • “When A Cowboy Trades His Spurs For Wings” (David Rawlings e Gillian Welch), de “The Ballad of Buster Scruggs”.

Melhores Efeitos Visuais

  • “Avengers: InfinityWar”;
  • “Christopher Robin”;
  • “First Man”;
  • “Ready Player One”;
  • “Han Solo: Uma História de StarWars”.

Melhor Direção de Arte

  • “Black Panther”, Hannah Beachler e Jay Hart;
  • “A Favorita”, Fiona Cromble e Alixe Felton;
  • “First Man”, Nathan Crowley e Kathy Lucas;
  • “Mary Poppins Returns”, John Myhre e Gordon Sim;
  • “Roma”, Eugenio Caballero e Barbara Enriquez.

Melhor Edição Sonora

  • “Black Panther”;
  • “Bohemian Raphsody”;
  • “First Man”;
  • “A Quiet Place”;
  • “Roma”.

Melhor Mistura de Som

  • “Black Panther”;
  • “Bohemian Rhapsody”;
  • “First Man”;
  • “Roma”;
  • “Assim Nasce uma Estrela”.

A 91ª cerimónia dos Óscares vai decorrer a 24 de fevereiro no Dolby Theatre, em Hollywood. Até ao momento ainda não se sabe quem irá apresentar a edição deste ano. O comediante Kevin Hart, que tinha sido escolhido para guiar o evento, decidiu afastar-se na sequência de uma polémica envolvendo declarações feitas por si há mais de oito anos.

Num especial de comédia que fez em 2010, Hart disse: “Se eu puder impedir o meu filho de ser gay, faço-o”. As declarações levaram a uma queixa da GLAAD, uma organização não-governamental que monitoriza a forma como os meios de comunicação retratam a comunidade LGBTI, junto da ABC, canal que transmite a entrega dos Óscares, e da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas norte-americana, responsável pela sua atribuição. Numa mensagem deixada na rede social Twitter, Hart pediu desculpa pelos comentários “insensíveis” feitos no passado e anunciou que não apresentaria a cerimónia por não querer ser uma “distração numa noite que deve ser comemorada por tantos artistas talentosos” .

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)