Rádio Observador

História

Obras com que Fernão Magalhães planeou circum-navegação em exposição em Lisboa

182

A Biblioteca Nacional de Portugal vai inaugurar em fevereiro uma exposição que mostra as obras com que Fernão de Magalhães terá planeado a primeira viagem de circum-navegação, iniciada há 500 anos.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), em Lisboa, vai inaugurar em fevereiro uma exposição que mostra as obras com que Fernão de Magalhães terá planeado a primeira viagem de circum-navegação, iniciada há 500 anos.

“Em demanda da biblioteca de Fernão de Magalhães” abre ao público no dia 07 de fevereiro para revelar títulos que o navegador português terá estudado para projetar a expedição que iniciou ao serviço de Espanha, com destino às ilhas das especiarias, e que daria origem à primeira viagem de circum-navegação do mundo, segundo uma nota da BNP.

A ideia desta mostra é “reunir textos que Magalhães terá consultado para planear a viagem. Apenas há testemunhos sobre um dos títulos que o navegador possuiu: um cronista espanhol refere que ele teria na mão o ‘Itinerario’, de Ludovico de Varthema, quando foi recebido pelo rei de Espanha, Carlos I, em 1518. Na exposição figura umas das primeiras edições da obra”, afirma Rui Loureiro, historiador e comissário da exposição.

Em exibição vão estar ainda roteiros náuticos, descrições geográficas e relatos de viagem que Magalhães terá analisado, destacando-se a edição espanhola do livro de Marco Polo, publicada em Sevilha em 1518, onde Magalhães então vivia.

Será possível ver também a edição do “Almanach perpetuum”, de 1496, que “é muito rara”, havendo relatos de alguns cronistas, que “dizem que os pilotos da armada de Magalhães utilizaram um exemplar desta edição no litoral do Brasil”, sublinha Rui Loureiro.

Serão igualmente destacados relatos e crónicas que referem o navegador português, salientando-se a reprodução do relato de Antonio Pigafetta, o italiano que fez a viagem de circum-navegação e a descreveu detalhadamente, bem como o manuscrito de Gaspar Correia (cedido pelo Arquivo Nacional da Torre do Tombo), que é a primeira crónica portuguesa que menciona a viagem de Magalhães.

Na mostra estarão patentes ainda outras peças, como reproduções de mapas, de que é exemplo o semiplanisfério em projeção polar austral, que se calcula ter sido preparado durante a viagem de circum-navegação e cujo original se conserva no Palácio Topkapi, em Istambul.

Fernão de Magalhães morreu próximo de atingir as ilhas das especiarias pela via ocidental, contornando assim o Tratado de Tordesilhas (1494), que impedia os espanhóis de navegar para o Oriente via Cabo da Boa Esperança, reservada em exclusivo aos portugueses.

Incompatibilizado com Manuel I de Portugal, a quem serviu e que lhe recusou a mercê a que o navegador considerava ter direito, partiu de Sevilha em agosto de 1519, ao serviço de Carlos I de Espanha, comandando uma expedição de cinco navios, que acabaria por se transformar na primeira viagem de circum-navegação do globo.

A exposição vai estar patente até 13 de maio e tem entrada gratuita.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)