Espanha

Governo espanhol pede satisfações à UNESCO sobre candidatura da rota de Magalhães feita por Portugal

3.178

O governo espanhol vai pedir mais informações sobre a candidatura da rota de Magalhães apresentada por portugueses à UNESCO. Portugal não terá referido papel de Espanha na viagem de circum-navegação.

O português Fernão de Magalhães foi o primeiro a fazer uma viagem à volta do globo. Circum-navegação foi financiada por Espanha

Getty Images

O Ministério da Cultura espanhol vai pedir ao seu embaixador na UNESCO que elabore um pedido de informação sobre a candidatura da rota de Fernão de Magalhães a património da humanidade, avançou o jornal ABC, citando fonte governamental. A apresentação, feita por Portugal, faz parte das comemorações dos 500 anos da viagem de circum-navegação feita pelo navegador português, cujo programa completo será apresentado esta quinta-feira, em Lisboa.

De acordo com o ABC, ao apresentar a candidatura, o governo português terá apagado o império espanhol da história ao quase não referir o nome de Juan Sebastián Elcano ou o papel preponderante de Espanha na realização da viagem.

A primeira viagem de circum-navegação da história foi financiada pela coroa espanhola porque o rei português, D. Manuel I, recusou a proposta apresentada por Fernão Magalhães. Foi o rei espanhol Carlos V que acabou por possibilitar a iniciativa. Entre a tripulação reunida pelo português, contava-se o basco Juan Sebastián Elcano, a quem coube terminar a viagem de regresso à Península Ibérica.

O navegador português morreu nas Filipinas em 1521, dois anos depois de ter partido de Sanlúcar de Barrameda, no sul de Espanha, e um ano antes de Elcano regressar ao mesmo porto, na província de Cádiz. No artigo publicado este sábado, o jornal espanhol, que refere que o Ministério da Cultura espanhol não sabia da candidatura feita pelos portugueses, reclama que, nos documentos apresentados à agência das Nações Unidas, Portugal só terá referido o navegador basco para dizer que foi ele que comandou a viagem de regresso a Espanha.

“Nada mais do que isso. Em nenhum momento é pedido à UNESCO um reconhecimento patrimonial conjunto que contemple tanto Espanha como Portugal em harmonia”, lamentou o ABC, lembrando que, apesar de terem rejeitado a proposta do navegador, os portugueses tentaram impedir a sua saída.

O Observador contactou o Ministério da Cultura português mas não foi possível obter uma resposta até à data de publicação deste artigo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Mundo

O poder mobilizador da rejeição /premium

Diana Soller

Um discurso negativo, de rejeição de alguma coisa, independentemente de ser factual ou inventado, tem muito mais impacto junto das populações que um discurso positivo, construtivo ou inclusivo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)