Moda

Porque é que Karl Lagerfeld nunca tirava os óculos de sol?

493

Os óculos de sol eram um dos acessórios indispensáveis e parte da sua imagem de marca. Karl Lagerfeld, que morreu esta terça aos 85, usou-os durante 50 anos por causa de um acidente.

PAOLO COCCO/AFP/Getty Images

Fato escuro, cabelo branco apanhado num rabo de cavalo e óculos de sol. A imagem de marca que Karl Lagerfeld cultivou durante anos era a sua “máscara“, uma “caricatura” de si mesmo que lhe dava gozo encarnar. O diretor criativo da Chanel, que morreu esta terça-feira aos 85 anos, dizia que o Carnaval de Veneza durava o ano inteiro.

Perante a despedida daquele que chegou a ser considerado, em vida, o “Kaiser da moda”, vale a pena recordar uma curiosidade sobre os óculos de sol com que se deixou fotografar diversas vezes. Escreve o espanhol El País que Lagerfeld usou as lentes escuras durante mais de 50 anos por causa de um namorado ciumento.

Ao jornal alemão ZEITmann, o designer chegou a contar o momento insólito que o fez nunca mais deixar os óculos de sol: uma noite, em 1967, Lagerfeld estava com uma amiga numa discoteca quando, num repente, apareceu um homem com quem ela tivera um caso amoroso. “Quando me viu com ela, quis derramar o copo sobre mim. Durante esse movimento deu-me com o copo no olho. Nesse dia, por acaso, tinha uns óculos porque sou ligeiramente míope”, contou.

O sucedido fê-lo perceber que os olhos eram “o bem mais precioso que tinha”, motivo que fez com que os óculos de sol passassem a ser encarados pelo guru da moda como uma ferramenta de segurança. “Desde então nunca mais saio de casa sem os óculos”, afirmou à mesma publicação.

Este não será, por ventura, o único motivo, mas o certo é que Lagerfeld até usava óculos de sol quando tirava fotografias — e foi ele mesmo quem se encarregou de fotografar algumas das campanhas para a marca Chanel.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Moda

Deixar a gravata em casa /premium

Maria João Marques

O mundo financeiro perdeu a aura de conservadorismo e confiança – de que os fatos e gravatas, se possível botões de punho e, sempre, sapatos de atacadores ou fivela eram a regra – com a crise de 2008.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)