Rádio Observador

Moda

Morreu Karl Lagerfeld. Diretor criativo da Chanel tinha 85 anos

1.991

O diretor criativo da Chanel morreu esta terça-feira aos 85 anos. Três décadas à frente da marca francesa, o designer conhecido como "Kaiser Karl" estava doente há várias semanas.

Karl Lagerfeld, diretor criativo da Chanel, morreu esta terça-feira, aos 85 anos. O designer associado às marcas Chanel e Fendi faleceu em Paris depois de várias semanas doente, avança a publicação francesa Closer. Esta segunda-feira foi internado de urgência. Ainda não são conhecidos os motivos da sua morte, que foi avançada por diferentes meios franceses. Segundo a WWD, publicação especializada na área, Karl Lagerfeld trabalhou até ao último instante. Era conhecido como o “Kaiser da moda”.

Quando em janeiro último faltou ao desfile (em dose dupla) da marca francesa — coisa que raramente fazia — a indústria ficou atenta. Preocupada também. Na altura, fontes da Chanel limitaram-se a afirmar que o designer estaria a sentir-se cansado. Lagerfeld era o diretor criativo da Chanel desde 1982. Nascido na Alemanha, tinha 85 anos e levava outros 35 à frente da marca de moda francesa que ajudou a alavancar. A Lagerfeld é-lhe reconhecido o mérito de ter ressuscitado a griffe que, até à sua vinda, estava a ser considerada antiquada.

Segundo o El País, Lagerfeld criava 10 coleções de moda por ano (e ainda duas para a italiana Fendi). O mesmo jornal acrescenta que o designer tinha também mão nas fotografias produzidas para as campanhas da Chanel, sendo que uma das últimas foi protagonizada por Penélope Cruz. Além de diretor criativo da Chanel e da Fendi, tinha uma marca homónima, Karl Lagerfeld. O currículo não se fica por aqui: além de fotógrafo, chegou a realizar curtas-metragens, desenhou apartamentos de luxo no Dubai e criou colaborações “inusitadas“, como uma coleção de lápis para a Faber-Castell, um modelo para a Rolls Royce ou uma edição especial da Coca-Cola Diet.

A última vez que apareceu em público foi em dezembro, em Nova Iorque, num desfile da Chanel. A imagem de Lagerfeld era já tida como icónica: surgia sempre diante do público e das câmaras de fato preto e gravata, óculos escuros em riste, e cabelo grisalho preso num rabo de cavalo. O britânico The Guardian escreve que o designer era “reconhecido instantaneamente”. “Instintos artísticos, perspicácia comercial e ego proporcional” são descritores do designer que foi em vida.

Sou como uma caricatura de mim mesmo e gosto disso. É como uma máscara e, para mim, o Carnaval de Veneza dura o ano inteiro”, é uma das suas frases icónicas.

Recentemente, o serviço de streaming Netflix disponibilizou um documentário onde se mostra os sete dias de bastidores que antecederam o desfile de Alta Costura da Chanel para a primavera de 2018. Esta terá sido a última interação de Lagerfeld com os media. Antes disso, Lagerfeld protagonizou momentos insólitos ao fazer declarações facilmente consideradas polémicas: “Se não querem que vos baixem as calças, não sejam modelos!”, dizia em 2018 para criticar o movimento #MeToo e o prejuízo que trouxe à indústria da moda.

Virginie Viard, sua colaboradora próxima ao longo de mais de 30 anos, foi encarregada pelo CEO da Chanel para dar seguimento à direção criativa das coleções da marca francesa — noutras palavras, para perpetuar o legado artístico de Gabrielle Chanel e de Karl Lagerfeld.

Aos 85 anos, Lagerfeld era solteiro e não tinha filhos. Não se conhecem herdeiros, além da gata Choupette, que nos últimos anos tornou-se um sucesso nas redes sociais.

“Desejo que a moda aguente este impacto. Foi uma grande perda”

A artista plástica Joana Vasconcelos privou várias vezes com Karl Lagerfeld. Ao Observador, recorda “a pessoa excelente” além de “genial”. “Ele tinha uma capacidade de visão única sobre o mundo criativo e sobre a vida. Com Karl Lagerfled morre mais do que um amigo, mais do que um génio, morre também uma época”, disse.

Desejo que a moda aguente este impacto, porque é uma grande perda para a criatividade do mundo”, continuou.

Joana Vasconcelos reconhece o “privilégio” de ter conhecido Lagerfeld e ao Observador relembra a primeira vez que o conheceu: “A primeira vez foi quando me convidou para ir à casa Chanel. Estive a vê-lo desenhar, vi como tudo começava com uma folha de papel, com um lápis. Em minha casa desenho com uma caixa de lápis desenhada pelo Karl. Ele e eu tínhamos a mesma base, isto é, o começar por desenhar numa folha de papel. Na minha vida conheci poucas pessoas importantes e mágicas, o Karl foi uma delas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)