Só a palavra “Kabaddi” já parece estranha e, na verdade, não tem tradução para português. Parece o nome de um prato de comida exótico ou de uma posição de ioga, mas é um desporto com origem na Índia. E se por cá é desconhecido, do outro lado do mundo está a ganhar popularidade de dia para dia. Atualmente, o kabaddi é o segundo desporto mais popular entre os indianos, ficando apenas atrás do críquete.

O kabaddi estava esquecido entre os indianos e era apenas a herança dos mais velhos, mas tudo mudou quando, em 2014, o diretor criativo do canal Star Sports decidiu comprar os direitos da Liga Pro Kabaddi (LPK) e transmitir as competições na televisão indiana. A ideia pareceu descabida para muitos. Como conta Siddarth Sharma ao canal americano CNBC, “o cenário do desporto era tal que costumava ser jogado em campos cheios de pó”. Mas a altura foi ideal para, precisamente, limpar o pó de uma prática ancestral que, em cinco anos, cresceu exponencialmente na Índia, o segundo país mais populoso do mundo (com mais de mil milhões de habitantes).

Entre 2016 e 2017, a Liga Pro Kabaddi aumentou a audiência da TV na Índia em quase 100 milhões de pessoas. Aliás, a liga conseguiu conquistar mais espetadores indianos do que o Mundial de Futebol, que é um dos eventos mais esperados e assistidos em todo o mundo. Em dezembro do ano passado, este desporto atingiu o pico da popularidade quando três jogos da Liga Pro Kabaddi tiveram índices de audiência mais elevados do que a vitória da equipa indiana de críquete na Austrália.

É claro que com a popularidade veio também o investimento. Em 2017, a TV Star Sports assinou um acordo de patrocínio avaliado em cerca de 40 milhões de dólares (35 milhões de euros). O acordo com a liga de Kabaddi foi o maior para um desporto que não críquete. Deste modo, os salários dos jogadores também aumentaram. O jogador mais bem pago este ano tinha um salário a rondar os 210 mil dólares (185 mil euros) por temporada.

O desporto está também a crescer fora da Índia, principalmente pela Ásia. Nos Jogos Asiáticos do ano passado, nem a equipa masculina nem a feminina conseguiram o primeiro lugar. Foi o Irão que levou o ouro para casa com ambas as equipas.

Mas como é que se joga Kabaddi?

Na verdade, é bastante simples e dá para jogar em praticamente qualquer lugar. Não precisa de bolas, tacos ou equipamento especial. Basta traçar uma dúzia linhas no chão (tal como vê na imagem), fazer duas equipas de sete pessoas cada (neste caso, representadas pelas bolas roxas e laranjas), e seguir as seguintes regras:


– O jogo tem duas partes de vinte minutos cada e ganha a equipa que tiver mais pontos.
– O ataque e defesa de cada equipa é feito à vez. Sendo que de cada vez uma equipa só defende ou só ataca.
– O ataque é feito no campo do adversário com apenas um atacante. Para defender há sete elementos da equipa adversária.
– O primeiro objetivo do atacante é pisar a linha de bauk, dizendo repetidamente “kabaddi”, para provar que está a conter a respiração.
– O segundo objetivo do atacante é tocar no máximo de jogadores da equipa adversária e voltar à linha do meio. Os toques podem ser feitos com as mãos, pés, ou com pontapés.
– A equipa atacante ganha 1 ponto por cada jogador adversário tocado desde que o atacante diga “kabaddi”.
– Cada defesa tocado fica de fora e não pode participar na próxima ronda.
– Os defesas devem impedir que o atacante consiga voltar para o lado do campo da sua equipa. Para defender, os jogadores podem dar as mãos e podem impedir o atacante de voltar agarrando-o, puxando-o e fazendo-lhe placagens.
– Se os defesas conseguirem impedir o atacante de voltar para o seu lado do campo, este fica de fora e a equipa defensora ganha 1 ponto.
– Depois do ataque de uma equipa, a equipa que estava a defender tem 5 segundos para enviar um atacante ou perde 1 ponto.
– O jogador que fica de fora só pode voltar a jogar quando a equipa marcar 1 ponto, mas pode-se meter em jogo outro jogador.
– De cada vez que se marca, pode-se meter de novo um ou mais jogadores (sendo que à defesa só podem haver sempre seis e ao ataque um).

Outras regras:

  • Área de Loby: só fica ativa quando um defesa é tocado e dá, tanto aos defesas como ao atacante, mais espaço para jogar.
  • Linha de Bónus: se o atacante meter um pé na linha de bónus e outro no ar, ganha 1 ponto, mas esta linha só está ativa quando há seis ou sete defesas.
  • Super Toque: se há três ou menos defesas e estes conseguem apanhar o atacante, a equipa defensora ganha 2 pontos.
  • Ataque de Matar ou Morrer: se a equipa atacante faz dois ataques fracassados (zero pontos), o terceiro ataque funciona nos moldes de “matar ou morrer”, logo, se o ataque for novamente fracassado, o atacante fica de fora.
  • Perseguição: acontece na área de campo da equipa atacante quando um defesa toca no atacante a recuar e a voltar para o seu lado do campo. Este toque é feito rápido, para que a outra equipa não tenha tempo de reagir. Se o defesa conseguir tocar no atacante ganha 1 ponto.
  • Todos fora: se um atacante consegue eliminar todos os defesas durante o ataque, a equipa de ataque recebe 1 ponto por cada jogador, mais 2 pontos extra.

Se quiser ver um vídeo com estas regras, basta clicar aqui. O vídeo abaixo mostra os melhores momentos de um jogo entre duas equipas indianas: Telugu Titans e Tamil Thalaivas. Este desporto é mais ativo do que pode parecer.

https://www.youtube.com/watch?v=9ZKHlLxfW_0&t=198s